"Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros." (João 13:35) "Onde estiverem reunidos, em Meu nome, dois ou três, lá estarei no meio deles." (Mateus 18:20)

Translate


Pesquisar

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Justino e a Trindade

Do blog (não espírita) Unitarismo Bíblico
Justino, de quem Taciano foi discípulo, afirma “Cristo era o Logos, isto é, a própria razão divina, a qual Deus Pai admitiu sair de si mesmo sem a diminuição de seu próprio ser.”1 também dizia “No princípio, antes de todas as criaturas, Deus gerou um poder racional a partir de Si mesmo”2, mais uma vez se vê, nas palavras desse antigo cristão, que o Filho não era, na eternidade, um ente independente do Pai, mas, sim, surgido a partir DELE antes de todas as eras, ou seja Cristo estava em Deus, mas como a sua razão que de Deus, pelo seu infinito poder, emanou sem que houvesse variação no Pai. Assim, quando ele declarou àquela época: “Que nós somos ateus, quem estiver em são juízo não o dirá, pois cultuamos o Criador deste universo, do qual dizemos, conforme nos ensinaram, que não tem necessidade de sangue, libações ou incenso. [...] Em seguida, demonstramos que, com razão, honramos também Jesus Cristo, que foi nosso Mestre nessas coisas e para isso nasceu, o mesmo que foi crucificado sob Pôncio Pilatos, procurador na Judeia no tempo de Tibério César. Aprendemos que ele é o Filho do próprio Deus verdadeiro, e o colocamos em segundo lugar, assim como o Espírito profético, que pomos no terceiro. De fato, tacham-nos de loucos, dizendo que damos o segundo lugar a um homem crucificado, depois do Deus imutável, aquele que existe desde sempre e criou o universo. É que ignoram o mistério que existe nisso e, por isso, vos exortamos que presteis atenção quando o expomos3, ao contrário do que afirmam alguns trinitaristas, Justino não está defendendo uma trindade de seres coiguais, nem essa ideia se desprende dos textos requeridos, pelo contrário, pois ele afirma cultuar ao Criador e, também, honrar a Jesus Cristo. Perceba culto a Deus e honra a Cristo, isso, sem dúvidas, não é uma afirmação de coigualdade na Deidade, muito mais quando ele mesmo diz que põe o filho em segundo lugar e não em igualdade com Deus. Justino também era do II Século.
É impressionante observamos em muitas literaturas as citações de Justino alegando que ele era trinitário, quando sabemos por registros históricos que ele não alegou isso, e, pelo contrário, trata a Deus, o Pai, como aquele que gerou por emissão o Filho antes do processo de criação do céus e da terra: “Mas essegerado, emitido realmente pelo Pai, estava com ele antes de todas as criaturas e com ele o Pai conversa, como nos manifestou a palavra por meio de Salomão.4
_________________
1 Campernhausen, Hans von in Os Pais da Igreja, Editora CPAD – 2005, pág. 18
2 Kelly, J. N. D in Doutrinas Centrais da Fé Cristã, pág. 75
3 Justino Mártir, ano 151, I Apologia 13,1.3-6
4 Justino Mártir, ano 155, Diálogo com o Judeu Trifão 62,1-2.4 (Obs. A referência a Salomão é, provavelmente, Pv. 8.22)

Nenhum comentário:

Postar um comentário