"Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros." (João 13:35) "Onde estiverem reunidos, em Meu nome, dois ou três, lá estarei no meio deles." (Mateus 18:20)

Translate


Pesquisar

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Paulo acreditava e pregava a Trindade?

Comentarei agora sobre algumas palavras de Paulo de Tarso que dizem apoiar a Trindade.
“nos quais (Satanás) o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus." (II Coríntios 4:4)
Assim, insistem que  ser  “a imagem de Deus”  é o mesmo que ser Deus.
A palavra eikon aparece 23 vezes no Novo Testamento significando imagem no sentido comum da palavra, uma representação separada do original.  Aparece para se referir a imagem de César em uma moeda, aos ídolos em imagens de deuses feitas pelos homens, a imagem da besta em Apocalipse 2, etc.
  Satanás, que como "pessoa" não existe, é uma figura mitológica representando o mal no mundo, não é Deus.  O curioso aqui é que Satanás também foi chamado de "Deus" ("theos", com artigo definido), mas no caso dele usaram "d" minúsculo”(“deus”) na tradução. Fosse Jesus, os tendenciosos tradutores fariam diferente.
   "o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar, " (Filipenses 2:6)
A palavra "morphe", aqui traduzida como "em forma", não significa ser igual em essência e sim a aparência exterior. No Novo Testamento só aparece, além de Filipenses 2:6, em Marcos 16:12, que  diz que Jesus apareceu numa forma ("morphe") diferente para dois homens, que não o reconheceram. Jesus não estava com uma forma diferente em essência, mas apenas na aparência exterior.
Outra prova de "morphe" no sentido de aparência exterior está na Septuaginta, Velho Testamento em grego escrito por volta de 250 A.C. Ela usa morphe várias vezes, sempre no sentido de aparência exterior, como em "Então um espírito passou por diante de mim; arrepiaram-se os cabelos do meu corpo. Parou ele, mas não pude discernir a sua aparência(morphe); um vulto estava diante dos meus olhos; houve silêncio, então ouvi uma voz que dizia: " (Jó 4:15-16 )
Variações da palavra "morphe" no Novo Testamento também são sempre no sentido de aparência exterior. Na transfiguração Cristo foi "transformado" (metamorphoomai) diante dos apóstolos (Mateus. 17:2; Marcos 9:2).  Ele mudou em sua essência ou apenas na aparência?
   Se os versículos acima, falando em “forma” e “imagem”, querem nos dizer que Jesus é Deus, então  porque simplesmente não dizer isso de uma forma bem clara e direta? É claro que Deus tem a mesma forma de Deus. É claro que Deus é a imagem de Deus. Por que precisariam dizer coisas assim? Os versículos não dizem "sendo Deus" mas "em forma de Deus" e "imagem de Deus".  Deus é sempre o Pai na Bíblia. Não há um versículo onde está escrito que o Pai é a imagem de Deus, que Deus  habitava nele, que ele tem forma de Deus. Não precisaria, o Pai é Deus e ponto final.
Entendam que de maneira alguma Paulo disse que Jesus abandonou o posto de Deus para se tornar "Deus homem" como insistem os trinitaristas. Paulo disse que Jesus é a "imagem de Deus"(2 Cor. 4:4), o que Jesus confirmou afirmando que quem o viu, viu o Pai. Dizer que Jesus tem a aparência(morphe) de Deus é a mesma coisa. A Igreja Filipense era formada por judeus e gregos convertidos.  Pela Septuaginta e outras escritos, os judeus  estavam acostumados com "morphe" no sentido de aparência exterior. Para os gregos a palavra também estava relacionada a aparência exterior. 
Ora, Cristo dizia que quem o viu havia visto o Pai, se dizia enviado de Deus, fazendo as obras do Pai na Terra. Estava de fato representando Deus de toda a forma possível, mas jamais se dizendo Deus, agindo sempre dando exemplo de humildade perante os homens, por isso que Paulo disse  "não considerou o ser igual a Deus", uma frase que  contraria totalmente o dogma da Trindade. Se Jesus é Deus não faz sentido dizer que ele não quis ser igual a Deus, porque ninguém pode não querer ser igual a si mesmo. Alguns podem dizer "Jesus não quis ser igual ao Pai". Mas o versículo diz "DEUS", não o Pai.
Portanto, Paulo quis colocar Cristo como exemplo de humildade para aquela igreja, por ser um espírito grandioso e mesmo assim orava sempre a Deus(e não a si mesmo, claro) e se colocava como um simples enviado, que por ele mesmo nada podia fazer. É só vermos os versículos anteriores a Filipenses 2:6: "nada façais por contenda ou por vanglória, mas com humildade cada um considere os outros superiores a si mesmo; não olhe cada um somente para o que é seu, mas cada qual também para o que é dos outros. Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus, o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar,  " (Filipenses 2:3-6)
Não está claro que Paulo ensinava a ter o mesmo sentimento de humildade que Jesus demonstrava?
Cristo disse, demonstrando o que dizia Paulo sobre a sua humildade: "Porque me chamas bom? Só Deus o é verdadeiramente" (Marcos 10:18) 
Em Hebreus 1:8, diz Paulo: "Mas do Filho diz: O teu trono, ó Deus, subsiste pelos séculos dos séculos, e cetro de eqüidade é o cetro do teu reino".
Paulo não se referiu a Jesus como o Deus Criador, pois  está no versículo 3: "O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados assentou-se à direita da majestade nas alturas".  Ora, está claro que são pessoas distintas, e Jesus é a imagem mais perfeita de Deus. Se Jesus está à direita de Deus(sentido figurado, óbvio) e não no mesmo "trono", então não é Deus.
Há um problema ainda maior para os trinitaristas. Paulo aqui cita Salmos 45.6, onde a palavra usada no hebraico,"elohim", se refere a um rei e não a Deus.  E no grego  do texto de Paulo não há o artigo definido antes de "theo",  já que não é o Deus Todo Poderoso e sim um "deus" dentro daquele contexto hebraico em que juizes, grandes seres humanos, etc., eram chamados de "deuses". Tanto é verdade que Paulo diz em seguida: "Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo de alegria, mais do que a teus companheiros; ".
Veja como a coisa só complica para a idéia de que Jesus é Deus! Ora, se Jesus tem um Deus, não poderia ser ele mesmo  Deus, concordam? A não ser que os trinitaristas acreditem que há uma hierarquia divina, ou seja, a não ser que sejam politeístas, coisa que sempre negam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário