"Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros." (João 13:35) "Onde estiverem reunidos, em Meu nome, dois ou três, lá estarei no meio deles." (Mateus 18:20)

Translate


Pesquisar

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

"Satanás"… Quem é ele, afinal?

Assim diz Severino Celestino da Silva, no livro "Analisando as traduções Bíblicas", sobre "Satanás", que, na verdade, faz parte de uma época de lendas e mitos em todos os povos - era da mitologia - e não haveria de ser diferente com os hebreus: "Satanás é uma figura muito  controvertida na Bíblia. A palavra "Satã" significa acusador.
      Aparece, pela primeira vez no livro de Jó, sendo como um promotor celestial. A sua intimidade com Deus e o direito de entrar no "Céu", de ir e vir livremente e dialogar com Ele, torna-o uma figura de muito destaque. Veja o livro de Jó 1:6: "Um dia em que os filhos de Deus se apresentaram diante do Senhor, veio também Satanás entre eles".
     O livro de Jó foi escrito depois do Exílio Babilônico. Sabemos que o povo judeu, tendo retornado a Israel com a permissão de Ciro, rei persa, no ano 538 a.C, assimilou muitos costumes dos persas. Isto ocorreu devido à simpatia e apoio que receberam do rei, que inclusive permitiu a construção do Segundo Templo judaico e ainda devolveu muitos de seus tesouros, que já haviam sido roubados.
     A religião dos persas, o Zoroastrismo, influenciou sobremaneira o judaísmo.
     No Zoroastrismo, existe o Deus supreno "Ahura-Mazda" que sofre a oposição de uma outra força poderosa, conhecida como "Angra Mainyu, ou Ahriman", "o espírito mau". Desde o começo da existência, esses dois espíritos antagônicos têm-se combatido mutuamente.
    O Zoroatrismo foi uma das mais antigas religiões a ensinar o triunfo final do bem sobre o mal. No fim, haverá punição para os maus e recompensa para os bons.
    E foi do Zoroastrismo que os judeus aprenderam a crença em um "Ahriman", um diabo pessoal, que, em hebraico, eles chamaram de "Satanás". Por isso, o seu aparecimento na Bíblia só ocorre no livro de Jó e nos outros livros escritos após o exílio Babilônico, do ano 538 a.C para cá. Nestes livros, já aparece a influência do Zoroastrismo persa. Observe ainda que a tentação de Adão e Eva é feita pela serpente e não por Satanás, demonstrando assim que o escritor de Gênesis não conhecia Satanás. Os sábios judaicos interpretando o Eclesiastes 10:11 afirmam (Pirkei de Rabi Eliezer 13) que, na verdade, a cobra que seduziu Adão e Eva era o anjo Samael que apareceu na Terra sob a forma de serpente. E que ele é conhecido como "o dono da língua". O Anjo Samael, que apareceu sob a forma de serpente, usou sua língua para seduzir Adão e Eva ao pecado. O poder do mal está em sua língua, e este poder pode ser usado somente para dominar o sábio. Ele não pode prevalecer sobre um ignorante.
    Uma outra observação interessante é que o livro de Samuel foi escrito antes da influência persa no ano de 622 a.C, e no II livro de Samuel em seu capítulo 24:1, você lê  com relação ao Recenseamento de Israel o seguinte: "A cólera de IAHVÉH se inflamou novamente contra Israel e excitou David contra eles, dizendo-lhe: Vai recensear Israel e Judá"
    Agora, veja esta mesma passagem no I livro das Crônicas, que foi escrito no começo do ano 300 a.C, portanto, já sob a influência do Zoroastrismo persa, com o já conhecimento de "Ahriman", "Satanás". No Capítulo 21:1 desse livro está escrito: Recenseamento: "e levantou-se Satã contra Israel, e excitou David a fazer o recenseamento de Israel". Portanto, o que era Iahvéh no livro de Samuel aparece agora no livro das Crônicas como SATANÁS. (Confira isso na sua Bíblia).
    Assim está evidenciado que Satanás não é um conceito original da Bíblia e, sim, introduzido nela, a partir do Zoroastrismo Persa.
   Passa a existir a partir daí "uma lenda" entre o povo judeu de que Satanás é considerado como o rei dos demônios, que se rebelara contra Deus sendo expulso do céu. Ao exilar-se do céu levou consigo uma hoste de anjos caídos e tornou-se seu líder. A rebelião começou quando ele, Satanás, o maior dos anjos, com o dobro de asas, recusou prestar homenagem a Adão. Afirmam ainda que esteve por trás do pecado de Adão e Eva, no Járdim do Éden, mantendo a relação sexual com Eva, sendo portanto pai de Caim. Ajudou Ló a embriagar-se com vinho e tentou persuadir Abraão a não obedecer a Deus no episódio do sacrifício do seu filho Isaac.
    Muitas pessoas acreditam muito no poder de Satanás e até o enaltecem em suas igrejas, razão pela qual achamos que seriam fechadas muitas igrejas se seus dirigentes deixassem de acreditar em Satanás.
   Para seu maior esclarecimento, Kardec faz uma observação sobre Satanás que descrevemos a seguir: ´com relação a Satanás, é evidentemente a personificação do mal sob uma forma alegórica, pois não se poderia admitir um ser mau a lutar, de potência  a potência, com a Divindade e cuja única preocupação seria a de contrariar os seus desígnios. Precisando o homem de figuras e de imagens para impressionar a sua imaginação, ele pintou os seres incorpóreos sob uma forma material, com atributos lembrando suas qualidades e seus defeitos´.
   E conclui Kardec: 'Modernamente, os anjos ou Espíritos puros são representados por uma figura radiosa, com asas brancas, símbolo da pureza; Satanás com dois chifres, garras e os atributos da animalidade, emblema das paixões inferiores. O vulgo, que toma as coisas pela letra, viu nesses emblemas um indivíduo real, como outrora vira Saturno na alegoria do Tempo".
   Precisamos compreender e acreditar na misericórdia divina e no amor de Deus por nós. Um Deus onisciente, onipresente, infinitamente justo e bom  e sobretudo AMOR que jamais colocaria entre nós, suas criaturas, alguém com os atributos que o homem colocou em Satanás."

Nenhum comentário:

Postar um comentário