"Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros." (João 13:35) "Onde estiverem reunidos, em Meu nome, dois ou três, lá estarei no meio deles." (Mateus 18:20)

Translate


Pesquisar

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Reencarnação não contraria a idéia de que Deus é amor e perdão. Muito pelo contrário.

Dizem os evangélicos e católicos que "para os espíritas, não existe o perdão divino, pois o espírito deve voltar ao mundo, reencarnar, enquanto, Deus está a oferecer o seu perdão através do seu próprio sacrifício, já que ninguém é perfeito e capaz de salvar-se por si próprio".
Reencarnação não é castigo. Lemos em O Evangelho Segundo o Espiritismo:
"A passagem dos Espíritos pela vida corporal é necessária para que eles possam cumprir, por meio de uma ação material, os desígnios cuja execução Deus lhes confia. É-lhes necessária, a bem deles, visto que a atividade que são obrigados a exercer lhes auxilia o desenvolvimento da inteligência. Sendo soberanamente justo, Deus tem de distribuir tudo igualmente por todos os seus filhos; assim é que estabeleceu para todos o mesmo ponto de partida, a mesma aptidão, as mesmas obrigações a cumprir e a mesma liberdade de proceder. Qualquer privilégio seria uma preferência, uma injustiça. Mas, a encarnação para todos os Espíritos, é apenas um estado transitório. E uma tarefa que Deus lhes impõe, quando iniciam a vida, como primeira experiência do uso que farão do livre-arbítrio. Os que desempenham com zelo essa tarefa transpõem rapidamente e menos penosamente os primeiros graus da iniciação e mais cedo gozam do fruto de seus labores. Os que, ao contrário, usam mal da liberdade que Deus lhes concede retardam a sua marcha e, tal seja a obstinação que demonstrem, podem prolongar indefinidamente a necessidade da reencarnação e é quando se torna um castigo. - S. Luís. (Paris, 1859.)"
Diz, ainda. o escritor espírita Hermínio Miranda, em entrevista dada pela Internet:
"Outro aspecto a considerar é o de que o destino de cada um de nós não está fatalisticamente determinado. Trazemos, ao renascer, um plano de trabalho, projetos a desenvolver, tarefas a cumprir, retificações a promover. Poderemos ter um bom índice de êxito, cumprirmos parcialmente o programa, realizá-lo todo ou simplesmente não fazer nada daquilo e em vez de nos resgatarmos de erros anteriores, acrescentar mais erros à carga que já carregamos do passado. Pelas numerosas comunicações transmitidas por intermédio de Chico Xavier, nos últimos anos, especialmente de jovens desencarnados em acidentes, percebe-se habitualmente a presença de um componente cármico embutido no processo, mesmo naquilo que parece aleatório, como uma bala perdida ou um disparo involuntário. Seja como for, o rumo de nossa vida na terra depende do comportamento de cada um. Muitos que vêm para a carne com pesados débitos de outras vidas resgatam-se pelo devotamento ao bem e ao próximo, sem aflições maiores. A lei divina não é punitiva -- ela é educativa. Por isso, diz Pedro, na sua epístola, que “o amor cobre uma multidão de pecados”.
Assim, uma pessoa que matava outras pessoas usando fogo, por exemplo, pode resgatar seus débitos cuidando de vítimas de incêndios e não sofrendo. Importante lembrar também que as provas geralmente são escolhidas pelo próprio espírito antes de encarnar.
Agora, algo tem que ser dito: é muito estranho alguém que crê em inferno eterno acusar os espíritas de não crerem no perdão de Deus. A Reencarnação, sim, mostra um Deus misericordioso, oferecendo aos seus filhos novas oportunidades e não lançando diretamente no "fogo eterno". Dizem: "Deus é amor, perdão, mas também é justiça". Ora, como "justiça" se até na justiça dos homens a pena é proporcional ao crime? Imagine alguém pegar prisão perpétua por roubar um pão pra comer? Absurdo! Já a reencarnação é um meio de evolução, de aprendizado, e não um castigo.
Pior é que esse "perdão" tão repetido pelos apologistas cristãos seria apenas para uns poucos eleitos, que antes tiveram a oportunidade de "conhecer Jesus", para poder aceitá-lo como seu "Salvador Pessoal". E onde está o perdão para aqueles que não aceitaram esse dogma e estão no inferno, onde estarão para sempre? E, pior, tendo uma vida inteiramente justa, sendo pessoas de bem, eles irão para o inferno simplesmente por não "terem Jesus como o seu Salvador pessoal".
"Os publicanos e prostitutas entrarão primeiro que vós, fariseus hipócritas, no Reino de Deus" (Matheus 21:31)
Todos entrarão no Reino de Deus. Uns antes e outros depois, mas todos entrarão...

Nenhum comentário:

Postar um comentário