"Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros." (João 13:35) "Onde estiverem reunidos, em Meu nome, dois ou três, lá estarei no meio deles." (Mateus 18:20)

Translate


Pesquisar

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Respostas a argumentos de Padre Quevedo contra Chico Xavier

Texto original em http://jefferson.freetzi.com/SrChico2.html


Uma versão desse texto abaixo mais completa está no formato pdf em outro site: http://www.apologiaespirita.org/apologia/artigos/001_A_Verdade_sobre_Chico_Xavier_e_a_Resposta_Espirita.pdf



Mais uma vez, faremos as devidas refutações aos comentários do Pe. Quevedo relativos a Chico Xavier. É muito triste saber que pessoas da estirpe do Sr. Quevedo, tentam a todo custo denegrir aquele que foi o marco e expressão máxima da Doutrina Espírita no Brasil. Mas, não tendo argumentos contra o comportamento Solidário e Cristão que sempre caracterizaram as Obras de amor ao próximo de Chico Xavier, tentam, sordidamente, desmoralizá-lo por outros meios.


   Dessa forma, serão expostos apenas alguns artigos obtidos do Site do Pe. Quevedo sobre Chico Xavier, os quais julguei mais incisivos. O texto a seguir será intercalado com as respostas que recebi do Leitor Marcos Arduim - mrarduin@terra.com.br , o qual escreveu-me e solicitou um direito de resposta aos embustes criados por Quevedo para desmoralizar a pessoa de Chico Xavier. Em alguns casos, também coloquei minhas próprias observações. Segundo a opinião de Marcos Arduin, não devemos ficar indignados com o Padre Quevedo. Pelo Contrário ! Devemos sim, sermos gratos a ele, pois desde que esse Padre começou a atuar no Brasil no início dos anos 60, o Espiritismo aqui só tem crescido.

O Padre Quevedo fez esses artigos sobre Chico Xavier, ao qual Eu, Marcos Arduin, acrescento os detalhes escritos em azul, com as iniciais : M.A. As argumentações do Padre Quevedo se iniciarão com as iniciais P.Q.

P.Q. - Foi dito anteriormente : "Se o homem produziu tudo aquilo por conta própria, então ele pode ocupar quantas cadeiras quiser na Academia". Academia ? Há falsários perfeitíssimos que enganaram aos melhores museus e especialistas. Mas descoberta a falsificação, nenhum falsário foi elevado à cadeira de nenhuma Academia : Imitação não é originalidade. O pastiche não é a genialidade.

M.A. - O caso não é esse, Quevedo. É preciso que deixe bem claro que o convite à candidatura de Chico Xavier para fazer parte dos imortais da Academia Brasileira de Letras foi promulgado, mas Chico Xavier recusou o convite porque não se considerava autor dos livros que escrevia. 
P.Q. - Chico xavier era iletrado ? "Fez o curso primário e estudou mais um ano com uma professora particular, que testemunha : "Distinguia-se por sua inteligência, sua memória prodigiosa e sua aplicação ao estudo. Só queria ler, não participava dos brinquedos nem das rodas dos outros meninos, e quando deles queria participar era tão sem jeito e sem graça, que preferia desistir" ("O Diário" de Belo Horizonte, 1954, serie de artigos). Chico disse depois que fora psicografado por um literato do além ! A quem pretende enganar, que não seja já fanático ? Se tivesse sido psicografia de algum literato do além, teria ganho o primeiro prêmio, não só menção honrosa : Os juizes perceberam claríssimamente o estilo de um menino do primário e isso é que quiseram homenagear.

M.A. - Afinal, onde estão os detalhes do episódio ? Onde foi o concurso ? Quem ganhou o primeiro prêmio ? Que texto foi mesmo o que Chico escreveu ? Por que será que episódios assim têm sempre essa vacuidade quanto a dados ? E porque teria ganho o primeiro prêmio ? Afinal os literatos nativos foram tão bons assim que sempre arrancavam prêmios com qualquer versinho que escreviam ? 


P.Q. - Cada qual naquilo para que tem tendência e para o que treina. Chico tinha tendência literária, Gaspareto para a pintura, Rosemary Brown para música, Frank Cox para pianista, etc., etc. Por que os "espíritos" não escrevem música com Chico nem literatura com Cox...?

M.A. - Então para contentar o senhor Quevedo : A médium Pearl Leonore Curran só tinha inclinações para a arte musical, sem jamais ter treinado ou manifestado qualquer pendor literário. Mesmo assim foi envolvida por um espírito que apresentou-se sob o nome de Patience Worth e através dela psicografou romances. Patience Worth era desconhecido, alegando ter vivido em Dorsetshire, Inglaterra, e emigrado para a América, onde morreu vítima de ataque de índios. Esses eventos se passaram no século XVII. O romance Telka, com mais de 70.000 palavras, 90% puramente anglo-saxônicas, foi escrito em inglês médio, sem qualquer vocábulo surgido após 1600. Tal proeza seria difícil até para um literato britânico, tanto mais para uma médium sem pendores literários. Mas se conheço o Sr Quevedo, imagino que virá com aquelas palavras mágicas típicas dos apologistas cristãos : descobriu-se que, soube-se que, apurou-se que... sem detalhes sobre quem descobriu, como descobriu, etc e tal. 



P.Q. - O jornalista João de Scantimburgo, objetava a Chico Xavier : " Além de jornalismo, eu também tenho a carreira de Filosofia. E não foram psicografados conteúdos profundos e complexos como a obra (à maneira de) Platão, a de Aristóteles, a de Santo Agostinho, a de Santo Tomás de Aquino, a de Descartes, a de Kant, e a de outros filósofos e pensadores. Não será porque o senhor, Chico Xavier, não tem esses conhecimentos ? "

Em todas as psicografias de Chico Xavier o fundo é sempre o mesmo por mais diferentes que tenham sido os "espíritos" aos que se atribuem : Uma "religiosidade" moralista, piegas, melíflua, repetitiva, absolutamente infantil... Quase três adjetivos por linha. Os mais usados : cariciosas, dulcíssima, inexcedível, amados. Deveria bastar ler qualquer livro psicografado por Chico Xavier para compreender que tudo está muito longe de ser o que seus propagandistas proclamam. Tomemos a melhor publicação, a mais elogiada : "O Nosso Lar". Tudo está plagado de absurdos e contradições. 
M.A. - Uma análise de um texto ( melhor seria se fossem analisados muitos textos ) bem conhecido do Chico, ilustrando tudo o que é indicado acima seria de bom argumento, mas só declarações sem detalhes, sem exemplos precisos, sem comparações preto no branco fica como uma tese jogada no ar... SCC : Se colar, colou. Fica uma insinuação de que o médium não escreve nada que já não esteja em seus conhecimentos. Não tenho um exemplo quanto ao Chico especificamente, mas Alexander Aksakof, no seu livro "Animismo ou Espiritismo", Vol II, dá um exemplo de conhecimentos acima do nível cultural do médium. Cita o caso onde o matemático Alfred Wilks Drayson, General-Major, amigo de Arthur Conan Doyle, envolveu-se com uma médium, e pergunta a um pretenso espírito astrônomo se ele lhe podia esclarecer um sério mistério que embaraçava os estudiosos de astronomia de sua época. Tudo isso resultou na publicação de um Livro intitulado : "The Solution of Scientifc Problems by Spirits" ( Solução de Problemas Científicos pelos Espíritos). Nesta Obra, Drayson relata :

"Recebi do Sr. George Stock uma carta em que me perguntava se eu podia citar, ao menos um exemplo, em que um Espírito, ou um que o pretendesse ser, tivesse resolvido, durante uma sessão, um desses problemas científicos que preocupam os sábios do século passado. Tenho a honra de comunicar-lhe o fato seguinte, do qual fui testemunha ocular."

Resumindo os fatos - O mistério era o seguinte : Os satélites dos planetas seguem uma órbita onde fazem o movimento de ocidente para oriente, mas os de Urano eram exceção : Faziam o movimento inverso e nenhum astrônomo sabia explicar porque. O tal espírito astrônomo explicou que os satélites de Urano faziam sua órbita como os outros, mas é que quando foram descobertos por Herschel, o pólo sul do planeta estava voltado para a Terra e isso o fez ver os satélites em movimento contrário. Agora, mais de 40 anos depois, o pólo norte estava voltado para a Terra e os satélites seriam vistos no seu movimento correto. O astrônomo George Stock refez modelos e confirmou que a explicação do espírito astrônomo estava exata.

Guiado por essa informação, também Alfred Wilks Drayson resolve o problema geometricamente, e apercebe-se de que a explicação dada pela médium era exatíssima, e a solução muito simples. Por conseguinte, Ele escreve sobre essa questão em um tratado que foi publicado nas Memórias do Ensino Real de Artilharia, em 1859. Em 1862, foi demonstrada essa mesma explicação do pretendido enigma em uma pequena obra sobre a Astronomia : "Common Sights in the Heavens" ( olhar pelos Céus ). Mas a influência da "opinião autorizada" foi tão funesta, que só em nossos dias, os Escritores que se ocupam de Astronomia começam a reconhecer que o mistério dos satélites de urano deve ser atribuído à posição do eixo desse planeta, conforme relatado pela Médium.

E a tal médium nada sabia de Astronomia... Que explicação o "excelentíssimo" jornalista que foi citado por Quevedo, de nome João de Scantimburgo, dará a isto ? 

P.Q. - Em duas oportunidades, havendo eu instruído a um repórter da TV Gazeta e ao Pe. Herbert Günter, da TV "Pro Vobis" da Alemanha, comprovamos que Chico Xavier sabia o que acabava de "psicografar"...

M.A. - Não entendi a ilação : Onde foi dito ou demonstrado que ele NÃO SABIA O QUE PSICOGRAFAVA ? Nunca soube que Chico fosse um médium mecânico, ou seja, aquele que psicografa o psicofone sem saber nada do que diz ou escreve. O senhor saberia informar melhor ? Além disso, como é que ficou comprovado o seu ponto de vista nos programas indicados acima ? Como o Sr. Quevedo adora falar como se todo mundo soubesse do que fala... 



P.Q. - O TESTEMUNHO DO SOBRINHO : Amauri Xavier Pena, filho da irmã mais velha de Chico Xavier, Da. Maria Xavier, foi escolhido pelo tio para seu sucessor. Vinha treinando desde os treze anos. Aos 17 anos cedeu às insistências do tio. Treinado com grande constância na "psicografia", mostrou maior facilidade do que o famoso tio para imitar os autores que lia. E assim publicou mais de cinqüenta livros "psicografados" imitando mais de cinqüenta autores, "cada qual no seu próprio e inconfundível estilo. Recebeu também uma epopéia de Camões em estilo quinhentista", Cruz e Sousa, Gonçalves Dias, Castro Alves, Augusto dos Anjos, Olavo Bilac, Luís Guimarães Jr., Casemiro Cunha, Inácio Bitencourt, Cícero Pereira, Hermes Fontes, Fabiano de Cristo (?!), Anália Franco..., e até Bocage e Rabindranath Tagore. O boletim espiritista "Síntese", de Belo Horizonte, fazia a divulgação.

M.A. - Primeiro : Publicação, autoria, registro no cartório, etc, ou seja, um documento de prova que demonstre que Chico Xavier indicou que Amauri Pena seria o seu sucessor. Falta esse dado importantíssimo. Mas tem que ser uma indicação de caráter oficial, não uma simples declaração de momento entusiático num balcão de bar ou entrevista tumultuada. Segundo : Nomes, editoras, cidades, anos de publicação e, principalmente, onde podem ser encontrados os 50 livros publicados pelo Sr Amauri Pena. Costumo visitar sebos e nunca vi um livro desse autor; também nada encontrei na Internet a respeito de publicações dele. Terceiro : Atestados dos eminentes literários que confirmam que os escritos de Amauri Pena refletem o estilo inconfundível dos autores por ele imitados e provas cabais dessas afirmações, caso existam. Como está acima, o parecer dá a impressão de ter saído desse tal boletim Espírita. Quer dizer :Quando alguém fala em estilo inconfundível para o Chico, é tolice e fanatismo, mas se o PARECER ESPÍRITA sobre estilo inconfundível for para o Amauri, aí então ele é válido ? 



P.Q. - "Um grande médium", era o seu sobrinho proclamado, mesmo depois da auto-retratação em Julho de 1958 no "Diário de Minas". E lá mesmo, perante os jornalistas, imitou diversos estilos de autores famosos. "Tudo o que tenho `psicografado´ até hoje, apesar das diferenças de estilo, foi criado pela minha própria habilidade, usando apenas conhecimentos literários", declarou.

M.A. - Até aí, nenhuma grande novidade : Qualquer um com talento literário pode perfeitamente imitar estilos. E quem continuou proclamando Amauri um grande médium ? Nome, publicação, data... Como o Sr Quevedo gosta de economizar onde não deve... 



P.Q. - E proclamou que seu tio Chico Xavier "não passa de um grande farsante". E à revista "Manchete": "Revoltava-me contra as afirmações dos espiritistas (que diziam que era médium). Levado à presença do meu tio, ele me assegurou, depois de ler o que eu escrevera, que um dia eu seria seu sucessor. Passei a viver pressionado pelos adeptos da 'terceira revelação'... Como absurdamente chamam ao Espiritismo, com ele pretendendo suplantar, após as revelações do Pai e do Filho, a Terceira Revelação pelo Divino Espírito Santo o dia de Pentecostes.

M.A. - Revista Manchete qual número, ano, mês... Quando é mesmo que esse cavalheiro se lembrou de dizer aos adeptos da terceira revelação que nunca foi médium e que não acreditava em nada daquilo ? Diante de tal declaração, estou começando a achar que o tal Amauri apenas se envolveu de leve com o Chico, mas manteve sua fé católica e no final acabou saindo com aquela denúncia, vou supor que em defesa da fé católica, mas caso tenha recebido algum por isso... ( conversando com o irmão caçula de Chico, ele me disse que de fato o seu sobrinho havia feito aquela denúncia contra Chico em troca de pagamento...). 



P.Q. - Mais declarações do Sobrinho de Chico : "A situação torturava-me, e várias vezes, procurando fugir àquele inferno interior, entreguei-me a perigosas aventuras, diversas vezes saí de casa, fugindo à convivência de espíritas. Cansado, enfim, cedi dando os primeiros passos no caminho da farsa constante. Tinha então 17 anos".

"Perseguido pelo remorso e atormentado pelo desespero, cometi vários desatinos (...) Vi-me então diante da alternativa: mergulhar de vez na mentira e arruinar-me para sempre diante de mim mesmo, ou levantar-me corajosamente para penitenciar-me diante do mundo, libertando-me definitivamente. Foi o que decidi fazer procurando um jornal mineiro e revelando toda a farsa" (...) "Meu tio é também um revoltado, não conseguindo mais recuar diante da farsa que há longos anos vem representando". "Eu, depois de ter-me submetido a esse papel mistificador, durante anos (...), resolvi, por uma questão de consciência, contar toda a verdade" (Ver também "Estado de Minas", 20-Janeiro-1971; revista "Realidade", Novembro 1971, pág. 65; etc.).

M.A. - Ou seja, era um trapaceiro e canalha e resolveu sair quando viu que desse cofre não saía dinheiro... Deve ser isso. Quantos anos ficou ele nesse papel ? Quanto tempo mesmo ? Sabe o que eu acho engraçado ? Que pilantras são apresentados como heróis quando traem a causa. A mulher do tal médium que se diz incorporar o Fritz ultimamente denunciou-o como farsante, mas só depois que foi trocada por outra... Como a estorieta do Amauri é sempre apresentada dessa forma nebulosa, sem dados comprobatórios, sem datas precisas, nada, então fica difícil avaliar qualquer coisa. Até 1958 Chico teria escrito 61 livros psicografados, mas Amauri, bem mais jovem que o Chico, neste mesmo ano em que fez sua denúncia, já teria publicado 50 livros ! Que prodígio ! 



P.Q. - Mas Amauri Xavier Pena, carregado de remorsos, insistia na retratação. E os "espíritos superiores" decretaram a morte : num muito conveniente "acidente" de carro.

M.A. - Alguém aqui avançou o sinal e não foi o Amauri. Por que acidente entre aspas? Está se sugerindo que não foi um acidente acidental? Se sabe de algo, Sr Quevedo, apresente-se às autoridades policiais e revele o que sabe. Afinal se houve crime, é dever de um bom cidadão trazê-lo a público. E o que tem a ver os espíritos superiores com isso? A menos é claro, que o Sr Quevedo queira admitir que, apesar de Amauri ser uma tão valiosa testemunha em defesa da fé católica e contra o Espiritismo, nem Deus, Jesus, Maria, ou os milhares de santos e os milhões de anjos foram capazes de impedir a ação dos Espíritos Superiores em calar com a morte o Sr Amauri. Prova-se com isso que os tais espíritos são mais poderosos que as entidades católicas citadas. Melhor então continuar sendo Espírita...


Jefferson : Declarações de Chico Xavier acerca de seu Sobrinho Amauri, extraídas da Folha online - publicadas em 30/06/2002 :

http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u53836.shl


"Quanto ao meu sobrinho, era um perturbado. Bebia muito, não trabalhava direito, acabou louco. E morreu há alguns anos. Ele fez aquilo, ao que parece, pela sedução do dinheiro. Que o altíssimo o perdoe."




Além disso, podemos observar um estudo denominado “O Grande Mediador Chico Xavier e a Cultura Brasileira” de Bernardo Lewgoy - Professor do Departamento de Antropologia UFRGS e pesquisador do Núcleo de Estudos da Religião – Dimensões Orais e Escritas no Espiritismo Kardecista - UFRGS, publicado na Revista de Antropologia ( vol. 44 nº.1 - São Paulo - 2001 ), o qual propõe uma interpretação do fenômeno Chico Xavier na cultura e na Sociedade Brasileira.

Para o antropólogo Bernardo, o contato privilegiado que Chico Xavier tem com o mundo espiritual justifica a aura de santidade que lhe conferem, bem como as conversões que ele provoca em torno de si. "Ele traz revelações, tem muitos dons mediúnicos privilegiados, que muitas pessoas não tem", diz Lewgoy. Ele defendeu sua tese de Doutorado na USP, na qual discorre sobre a Religião Espírita e o mundo das letras, com um capítulo ao Médium Mineiro.

Muitas biografias e artigos foram escritos sobre Chico Xavier, assim como um incontável número de entrevistas, a imensa maioria escrita por Espíritas. Entre as várias consultadas, o Professor Bernardo selecionou as obras de Ubiratan Machado (1996), Suely Schübert (1986), R. A. Ranieri (s. d.), Ramiro Gama (1986) e Marcel Souto Maior (1994), entendendo-as como variações convergentes de uma mesma narrativa.

Tal estudo aborda a versão de que Amauri Pena assumiu a autoria dos poemas e levantou suspeitas contra Chico, objetivando impressionar e agradar uma moça católica por quem estava apaixonado. Outra versão envolve dinheiro : Ele teria sido subornado por um padre católico para desmoralizar Chico Xavier.


Fontes :

* BERNARDO LEWGOY - Professor do Departamento de Antropologia UFRGS. Autor do Livro “O grande mediador - Chico Xavier e a Cultura Brasileira”.

Com referências no CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. É uma Fundação, vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), para o apoio à pesquisa brasileira. Contribui diretamente para a formação de pesquisadores : Mestres, Doutores e especialistas em várias áreas de conhecimento. Mais detalhes : 


http://dgp.cnpq.br/buscaoperacional/detalhepesq.jsp?pesq=3088318037496321


* MARCEL SOUTO MAIOR - Autor do Best-Seller “As Vidas de Chico Xavier” e “Por trás do Véu de Ísis” ( Ed. Planeta do Brasil ). Marcel Souto Maior é jornalista e roteirista da TV Globo. Trabalhou no Correio Braziliense, Estado de S. Paulo e Jornal do Brasil antes de se transferir para a televisão, onde começou como editor do programa Fantástico. Marcel nunca se identificou com qualquer corrente religiosa. A parte que relata o envolvimento do Sobrinho de Chico Xavier com uma mulher católica e o suborno feito por um Padre da Igreja dessa mesma religião, está no Livro acima referenciado : "As Vidas de Chico Xavier", Marcel Souto Maior, Rocco, Rio de Janeiro, RJ, 9ª edição, 1994, páginas 122 a 125.

Por essa, o Padre Quevedo não esperava ... !!! 




P.Q. - O TESTEMUNHO DA IRMÃ : Dona Maria Xavier, irmã mais velha e que fizera de "mãe" de Chico Xavier, declarou inúmeras vezes que tudo isso da pretendida psicografia espírita era devido a incansável treino anos e anos a fio.

E freqüentemente declarou mais : Que por tais testemunhos, Chico, quando já "médium" famosíssimo, por duas vezes tentou sugestiona-la para morrer, dizendo que os espíritos superiores haviam anunciado a morte dela para tal data. Errou. Novamente anunciou a morte para uns meses mais tarde. Errou de novo. Dona Maria Xavier não se deixou sugestionar pelo famoso irmão espírita.

M.A. - Onde e quando ela se fez de mãe e como soube do incansável treino. Onde e quando fez tal declaração? A propósito, a Realidade de novembro de 1971 diz que quem se fez de segunda mãe para o Chico foi Luísa Xavier e não a Maria...

Onde e quando a irmã de Chico fez tal declaração ? Melhor que isso : Foi uma declaração registrada em cartório, obtida sob juramento a algum santo católico ou sob Maria, Jesus, Deus, enfim, alguma entidade cara à fé católica, cujo perjuro implicaria em pecado mortal ? Ah! Esqueci-me : O padre poderia instruí-la que mentir em defesa da fé é aprovado e não constitui pecado... 




P.Q. - MALANDRAGEM E MENTIRAS : Chico Xavier, quando "psicografa", com os dedos tampa o olho esquerdo. Para que? Nele é completamente cego. E com a palma da mão, folgadamente, encobre o olho direito fechado, de formas que num palpebrar rápido pode ver perfeitamente sem que os presentes percebam essa vulgar manobra... que, porém, não engana a nenhum aprendiz de mágico... Ou, então, deixa ao descoberto o olho esquerdo fechado, o cego, enquanto que encobre com a palma da mão com bastante folga o olho direito...

M.A. - Não sei o que uma coisa tem a ver com outra. A genuidade de uma mensagem psicografada é obtida, ou pelo menos melhor conceituada em vista da comprovação do seu conteúdo, não pelo fato de um médium escrever sem supostamente ver o que está escrevendo...


Jefferson : Quando alguém vai rezar (orar), observa-se o costume de juntar as mãos, mas se não juntar as mãos, poderemos dizer que essa mesma pessoa não está rezando (orando) ? O mesmo acontece com a psicografia, se o médium coloca a mão nos olhos é puramente um gesto mecânico e além do mais a mediunidade de Chico é tão grande que, com olhos abertos ou não, nada mudaria, afinal até de trás para frente ele já escreveu. 




P.Q. - Vendo-o falar sozinho, o pai leva-o à paróquia de Matosinhos, próxima a Pedro Leopoldo, para falar com o Padre Sebastião Scarzelli. "Era um senhor muito bondoso, de quem eu recebia muitos conselhos e algumas penitências". "Uma das pequenas penitências impostas pelo padre : Seguir todas as procissões que houvesse, carregando uma pedra de 15 quilos na cabeça. Uma vez eu tinha de rezar mil Ave-Marias. Ia rezando e contando. Quando chegava mais ou menos a 950, vinha um espírito brincalhão e me fazia errar a conta. Lá eu ia começar tudo de novo". "Cínico, tem parte com o Diabo, precisa internar', e lá ia o pai com Chico ao Padre, e tome mais Ave Maria e outras penitências" (Entrevista ao repórter Ramón García y García, em "Fatos e Fotos", 1977, artigo "As torturas a um menino órfão", págs. 24 s).

Alguém pode duvidar que estas afirmações de Chico Xavier são mentiras deslavadas? E quem assim mente, quantas outras mentiras haverá proferido?


M.A. -Eu posso e muita gente pode aceitar tais declarações de Chico como verdadeiras. Mas tem um jeito de demonstrar que elas são falsas, Sr Quevedo : É só mostrar que é tecnicamente impossível a um garoto da idade e constiuição física de Chico na época levar uma pedra de 15 quilos na cabeça; que o Direito Canônico proíbe expressamente rezar mais de um Ave Maria por dia (obviamente o padre em questão deveria saber disso...); que penitências de quaisquer tipo foram proibidas na Igreja desde a sua fundação... Isso e mais algumas outras provas de que são mentiras que o senhor puder apresentar, caro Quevedo. Do contrário acho tolice invocar o suposto bom senso do leitor a exigir que ele automaticamente entenda serem mentiras. Um leitor católico talvez fizesse isso, por exigência sua, mas um Espírita não. 



P.Q. - DOENTE MENTAL : Por motivos de saúde houve que fazer o eletroencefalograma de Chico Xavier, fora do controle dos espiritistas quando finge que está "psicografando". Resultado esclarecedor : "Foco temporal classicamente responsável por distúrbios sensoriais, alucinações, ouvir vozes (...), arritmia, tendência a ataques epilépticos ou `transes´" ( Ver, entre outras publicações, Revista "Realidade", Novembro, 1971 ).

M.A. - Eu pensava que os médicos tinham certos compromissos éticos... Lembro-me que quando o Mário Covas já estava sendo consumido pelo câncer, uma reportagem ressaltou esse compromisso: os médicos não podiam dizer que ele sentiu dor, que chorou, que recebeu tal e qual tratamento que resultou nisso..., etc e tal. Mas vamos transcrever o que está dito na Realidade de novembro de 1971 :

Um psiquiatra, o Dr. Alberto Lyra, interpretou esse episódio : Tendo em vista que seu eletroencefalograma revela um foco temporal, classicamente responsável por distúrbios sensoriais, com ocorrência de alucinações, vozes, visões, etc., podemos estar diante de um ataque epiléptico. Por outro processo psicológico, uma pessoa, contando repetidas vezes um episódio e obtendo para ele o consenso de seu meio, acaba acreditando que ele é de fato verdadeiro, e nunca mais duvidará de que assim não seja.)

O mesmo Dr. Alberto Lyra, ex-presidente do Instituto Paulista de Parapsicologia e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Teosofia, analisando o mesmo episódio : - O patológico não exclui, nem deforma, o fenômeno paranormal, ou sobrenatural. Eu acredito na existência dos espíritos, e pode muito bem tudo ter-se passado conforme o relato de Chico Xavier.

Notaram que o Sr. Quevedo omitiu alguma coisa relevante ? 




P.Q. - SURTOS ? OU CONFIRMAÇOES DA LOUCURA ? Se todo o proceder e afirmações de Chico Xavier foi totalmente farsa, os episódios a que agora vou me referir classificar-se-iam propriamente como surtos, ataques de loucura mais ou menos freqüentes. Se, porem, não fosse farsa, os casos que vamos citar seriam só confirmações, manifestações mais notáveis da sua plena e habitual grande loucura. Por exemplo, quando era escriturário no Ministério de Agricultura em Pedro Leopoldo : "Eu estava trabalhando, quando vi entrarem dois espíritos perturbados, que já vinham há vários dias fazendo ameaças. Um deles estava armado de revólver e, depois de me dirigir vários desaforos, disse que ia me matar. Dito e feito: apertou o gatilho e a bala atingiu meu ombro, mas só de raspão, porque eu ainda tive tempo de desviar o corpo (...) Tanto o tiro foi real, que eu fiquei oito dias com o ombro dolorido" (Em entrevista à revista "Realidade", Novembro, 1971).

"Este coelho não é muito honesto. Outro dia, dois gatos meus vieram denuncia-lo (...) O coelho, disseram, lhes estava comendo a razão de carne. Os coelhos deveriam ser herbívoros, mas este, acanalhado, virou carnívoro" (Ibidem). "Freqüentemente, quando viaja de carro, se nota uma folha ao vento ou alguma coisa semelhante, 'mando parar. Temo que os cavalos do motor se assustem' me diz Chico Xavier" (Ibidem).

M.A. - Infelizmente só tenho uma transcrição do artigo da Realidade de novembro de 1971, que não sei se está completa, mas exceto o lance dos espíritos armados, que Chico relatava no maior tom de bom humor ( será que não estaria só brincando mesmo? ). Os outros relatos não figuram no texto. De onde o Sr Quevedo os teria tirado ? 



P.Q. - AS INCONGRUÊNCIAS : Apresento algumas, entre milhares. Se Chico Xavier não era louco, a farsa seria gravíssima demais... Se Chico Xavier era um grande doente mental, não estranhariam as contínuas e enormes incongruências e que ele as atribuísse a "espíritos" superiores. A propaganda que dele fazem os líderes do espiritismo é que deveria estranhar, se não fosse conhecido o fanatismo e mesmo tortuosa intenção... No "Parnaso de Alem Túmulo" Chico Xavier apresenta um soneto, no "estilo dos sonetos do exílio" como se fosse uma psicografia ditada pelo "espírito" de Dom Pedro II. Ora, o "espírito" de Dom Pedro II não sabia nem ninguém lhe comunicou no além, nem a ele nem a Chico, que os "sonetos do exílio" não eram de Dom Pedro senão de um nobre que o acompanhava ? (Com toda razão Gustavo Barroso ridicularizava então a Chico Xavier num artigo em "O Cruzeiro").

M.A. - Do jeito que está colocado acima, não se percebe uma ilação de que o texto supostamente do Dom Pedro II diz ter sido o autor dos sonetos do exílio, mas que fez um soneto ao estilo daqueles. Uma transcrição literal do que está escrito no Parnaso seria mais convicente do que uma declaração do Sr Quevedo... 



P.Q. - Chico Xavier fundou em Pedro Leopoldo o Centro Espírita São Luis Gonzaga, Rei da França. Isto é, os "espíritos superiores" que pretendidamente assessoram a Chico seriam tão ignorantes, que não sabem que São Luís Gonzaga, jesuíta, italiano, morto muito jovem no século XVI é completamente diferente de São Luís, Rei da França, das Cruzadas, morto velho no século XIII.

M.A. - Pode me dizer onde, quando e em que publicação espírita está registrada a fundação do tal centro ? No tal artigo da Realidade de Novembro de 1971 só fala em Luiz Gonzaga, sem qualquer referência ao Rei da França... Já é tempo do Sr Quevedo saber que suas declarações em fé só são aceitas pelos seus fanáticos seguidores ou por desavisados espíritas que não pensam, não perguntam e não se mancam de quem está falando. 



P.Q. - A "psicografia" mais reeditada e mais vendida, mais traduzida a outras línguas, mais difundida em Teatro e Televisão... é a novela "Nosso Lar". Não sabemos que admirar mais, se a tão delirante como brilhante imaginação de Chico Xavier ou o "fanatismo" dos seus propagandistas : Conta a história no além do "espírito" do famoso médico Dr. Osvaldo Cruz, que no além e nas numerosíssimas mensagens transmitidas a Chico e nos numerosos lares e centros de espiritismo que patrocina, recebe o nome de André Luís. Este espírito "desencarnado", ficou oito anos andando, andando ( com que pernas ? ) sem saber por onde nem para onde.

"Persistiam em mim as necessidades fisiológicas sem modificação" ( um desencarnado precisando esconder-se detrás de arbustos para fazer chichí e cocô! ). "Castigava-me a fome todas as fibras" (?), "De quando em quando deparavam-se-me verduras ( no além ! ), que me pareciam agrestes, em torno de humildes filetes d'água a que me atirava sequioso. Devorava ( com que dentes? ) as folhas desconhecidas, colocava os lábios (?) à nascente turva", "Suguei lama da estrada". "Não raro era imprescindível ocultar-me das enormes manadas de seres animalescos, que passavam em bandos quais feras insaciáveis".

M.A. - Antes de mais nada, como sabe o Sr Quevedo que André Luiz foi o médico Oswaldo Cruz ? Essa idéia surge de vez e quando, mas quando se comparam os dados, não conferem. Kardec transcreve, no livro o Céu e o Inferno, o texto de uma pastoral de eminente autoridade católica,onde é descrito o Inferno, com lances que sugiram almas passando fome ( mas elas teriam estômago ? ), outras a beber rubras taças chamejantes ( têm boca ? E suponho que o chamejante líquido deve sair por algum lugar, seria o habitual ? ), queimando-se no fogo ( Têm receptores de dor na pele, ou melhor, têm pele material ? ) E por aí vai. Agora vejamos a lógica : Quando um teólogo católico descreve sofrimentos FÍSICOS de almas, ele está expressando a verdade da fé católica; Quando um espírito qualquer escreve ALGO SEMELHANTE, aí então é só produto de imaginação. Registrado. 



P.Q. - Toda a sua vida Chico Xavier proclamou que seu principal "espírito guia" era "Emmánuel" (assim, com acento tônico na letra a, proparoxítona), afirmando que fora "senador romano dos tempos de Cristo". Chico ouviu que o latim não tem oxítonas, e transformou a palavra em proparoxítona. É que nenhum "espírito" do além saberia que a palavra "Emmánuel" não existe, é Emmanuel (oxítona), como Manuel, Gabriel, Rafael, Miguel. E nenhum "espírito" de morto saberia que Emmanuel não é uma palavra latina, senão hebraica, que significa "Deus conosco", termo profético aplicado na Bíblia a Jesus Cristo.

M.A. - Quanto cavalo de batalha em um simples erro tipográfico. Aliás, de onde o Sr Quevedo tirou esse Emmánuel? Todos os textos que vi a respeito só falam em Emmanuel ( SEM ACENTO ) ... 



P.Q. - Quando ridicularizei a afirmação de Chico, pois nos tempos de Cristo nenhum senador romano poderia chamar-se "Emmánuel", nome cristão, e então o Cristianismo ainda não chegara a Roma, Chico Xavier inventou que "Emmánuel" era o pseudônimo de Públio Léntulo. Houve um senador romano chamado Publius Cornelius Lentulus, padrastro do Imperador Marco Antônio, e foi destituído do Senado por corrupção e por corrupção executado a pedido do célebre orador Cícero. Mas nenhum "espírito" de morto sabia que essa execução foi no ano 63 antes do nascimento de Cristo... Portanto, bem longe de ser contemporâneo de Jesus.


Jefferson - Cabe aqui, uma intervenção da minha parte. A pessoa a que se refere o sr. Quevedo, na realidade, chama-se Públio Lentulus Sura,BISAVÔ de Publius Lentulus Cornelius. Este último sim, tornou-se Emmanuel, mentor de Chico Xavier.

Públio Lentulus Sura, bisavó paterno de Publius Lentulus Cornelius, tinha sido estrangulado 93 anos antes, na revolução de Catilina. Portanto, não são a mesma pessoa. Padre Quevedo diz que a execução foi no ano 63 antes de Cristo, e Cristo, naquela época já contava com mais de 30 anos. Portanto, não há dúvidas de que a pessoa executada era o Bisavô de Publius Lentulus Cornelius. Logo, percebe-se, e com facilidade, que Publius Lentulus Cornelius era SIM contemporãneo de Jesus. Mais uma falácia de Quevedo cai por terra. 




P.Q. - Quando perguntei, publicitariamente, contra a absurda afirmação dos espiritistas kardecistas, se "Emmánuel" esquecera de reencarnar, Chico Xavier inventou que "Emmánuel" tivera outras duas reencarnações posteriores, o Padre Manuel da Nóbrega, jesuíta, e o Padre Damián, espanhol. Acontece também que todos os senadores romanos ("Emmánuel"), e todos os jesuítas até há poucos anos (Pe. Manuel da Nóbrega), e todos os padres antigos (como seria o não identificado Pe. Damián) falamos latim. Desafiei em nome da Parapsicologia internacional: 10.000 dólares a Chico e mais outros tantos a cada um dos coubessem na sala, se Chico conseguisse falar ao menos um minuto comigo em latim. E nas mesmas condições outros 10.000 se falasse em espanhol (Pe. Damián). E nas mesmas condições outros 10.000 se falasse em francês (Pe. Damián, de novo).

M.A. - O desafio seria até válido e poderia ser aceito se os espíritas tivessem algo a ganhar com isso. E não estou me referindo aos prêmios em dinheiro, pois além de duvidar que os ofertantes tenham esses valores em caixa, sempre se arranja uma desculpa que justifique a não entrega do prêmio. O lance é que, mesmo tendo sido cumpridas todas as condições e os espíritos viessem e falassem em latim, espanhol, francês, inglês, ou qualquer outra língua exigida, o Sr Quevedo admitirá que são quem dizem ser ? Eu duvido! O mais provável é que, diante da fala em línguas previstas, venham então os argumentos do tipo : nada provam em favor dos espíritos, pois através da captação do pensamento, do talento do inconsciente, da xenoglossia, etc e tal, fica perfeitamente explicado pela Parapsicologia como e porque ele falou latim, espanhol e francês e assim justifica-se a não entrega dos prêmios... 



P.Q. - Inúmeras vezes Chico cai em contradição com respeito à reencarnação. Por exemplo na "Mensagem aos meus pais" do "espírito" de Syumara de Oliveira "psicografada" por Chico: "Conservem a certeza de que surgirá o dia em que nos reencontraremos para a felicidade sem ponto final" (Reunião Pública no Grupo Espírita da Prece, Uberaba, 7-Junho-1980). O que é proclamar a ressurreição e felicidade eterna.

M.A. - Ou a condição a que todos chegaremos de espíritos puros, sem necessidade de reencarnação... Ou simplesmente reconhecer que a morte não separa as pessoas e que contatos com os espíritos são possíveis. O Sr Quevedo é do tipo que adora tirar de um texto mais do que lhe pertence. Um defeito grave, mas não é só dele. 



P.Q. - Igualmente na tão paparicada "psicografia" em que teria escrito em espelho e em inglês, não fosse evidente que foi desenhada muito pacientemente uma frase aprendida de cor; truque tão infantil; perante que testemunhas "psicografou" tal frase?...


Jefferson - A psicografia em Chico Xavier atinge níveis de qualidade inigualáveis. Cientistas e parapsicólogos estudam suas obras. Chico dá demonstrações do nível incomparável ao escrever perante mais de duzentas pessoas, em Campos, Estado do Rio de Janeiro, mensagens em línguas mortas, ou então em inglês clássico, mas de trás para frente, levando as pessoas presentes a usar um espelho para a leitura do texto. A velocidade de sua mão era espantosa. E Chico, pouco tempo depois, acaba psicografando textos diferentes, com as duas mãos, ao mesmo tempo, fenômeno até hoje não realizado por nenhum outro médium.

A repercussão é tão significativa, que o jornal O Globo enviou a Pedro Leopoldo o repórter Clementino de Alencar, sem prazo determinado para voltar, com o objetivo de entrevistar o médium, autoridades, assistir a reuniões mediúnicas, enfim, verificar in loco os fenômenos de além-túmulo. O jornalista chega a entrevistar em língua estrangeira vários espíritos e assiste, extasiado, a um fenômeno da escrita invertida em inglês. Hospedado no hotel Diniz, o jornalista ali permanece por dois meses até concluir sua "investigação", sempre acompanhado de fotógrafo, o qual faz dezenas de imagens para registrar os acontecimentos. 




P.Q. - Mas o que agora frisamos : O conteúdo da frase é contra a interpretação reencarnacionista da dor, contra a doutrina espiritista em geral, e no sentido cristão de colaborar com Cristo na Redenção do mundo: (Tradução) "Meus caros amigos espiritualistas, o conhecimento dos homens é nulo em face da morte (o conhecimento dos espiritistas, pois a eles seria dirigida a mensagem de "Emmánuel"); suportai a vossa Cruz com paciência e coragem. A dor e a fé são os maiores tesouros terrenos e o trabalho é o ouro da vida".

Se a dor e as doenças fossem em castigo de "reencarnações" anteriores como absurdamente diz o próprio Chico e os espiritistas kardecistas em geral, Chico Xavier não seria um espírito muito desenvolvido, como pretendem, pois desde criançinha teria péssimo "karma", perdendo a mãe aos cinco anos, foi maltratado por cruel madrinha, sempre teve péssima saúde, sexualmente invertido, tendência à epilepsia e alucinações, sofreu dois infartos, teve laberintite muito violenta, a próstrata temía-se que o levasse à morte prematura, ficou cego do olho esquerdo, etc., etc.: Uma coletânea do pior "karma" (!?).

M.A. - Mais uma vez o Sr Quevedo faz o seu próprio espiritismo e depois o refuta. O sofrimento pode, naturalmente, ser conseqüência da lei de causa e efeito, mas NÃO SOMENTE. É o que ensina o Espiritismo. Espíritos podem requerer situações sofridas como forma de experimentarem sua evolução espiritual. Espíritos missionários passam às vezes por situações sofredoras. Seja num caso, ou no outro, as palavras acima se encaixam perfeitamente. Só o Quevedo é que não vê isso, pois fez o seu próprio espiritismo. E o grau de sofrimento nada tem a ver com o grau evolutivo do espírito. Tem a ver é o quanto o espírito deseja suportar numa prova ou o quanto mais rápido deseja ver resgatado o seu débito para com a Lei de Causa e Efeito. 



P.Q. - Em resposta ao repórter Almir Guimarães, Chico afirma que o Beato Padre José de Anchieta está "no plano espiritual" ("Pinga Fogo" da TV Tupi e "Especial Encarte" do "Diário de São Paulo", Dezembro 1971, pág. 12). É claro, não há reencarnação, está ressuscitado com corpo espiritualizado no Céu por toda a eternidade. Mas com referencia a essa absurda doutrina dos espiritistas kardecistas, também o Pe. Anchieta esqueceu de reencarnar?

M.A. - Característica fundamental de uma GRANDE VERDADE CRISTÃ: é IMPALPÁVEL E INVERIFICÁVEL. Acho que o tal beato já apareceu ao Quevedo com o seu corpo ressurreto e por isso nosso digno sacerdote sabe do que fala... cientificamente, é claro. Além disso, Os espíritos reencarnam quando é necessário e não quando o Sr Quevedo assim deseja. 



P.Q. - E também agradeço a nova homenagem: O Pe. Anchieta também era espanhol e jesuíta.

M.A. - E trocentos outros que atuaram na tão santificada "Santa" Inquisição também... 



P.Q. - Quando Chico praticava "exercício ilegal da medicina" (artigo 284 do Código Penal), as receitas seriam por "psicografia" do "espírito" de Bezerra de Menezes.

M.A. - Ô cara chato que faz seu próprio espiritismo... Há no artigo da Realidade de novembro de 1971 um lance sobre essas receitas: são homeopáticas, quinta diluição, que segundo a Medicina Oficial é praticamente o mesmo que dar água ou placebo e que não oferece perigo se houve troca indevida de receita... 



P.Q. - VAIDADE DOENTIA : É típica a vaidade exacerbada como mecanismo doentio para compensar defeitos que poderiam levar ao complexo de inferioridade. Em Chico Xavier, homossexualidade, toda a vida doente, surtos ou continua psicose... Não insistirei nisto, só o mínimo para desmascarar em Chico o continuo fingimento de humildade. Bastem as palavras do grande psiquiatra Professor Dr. Silva Mello: "Dentro do espiritismo, do mediunismo, da psicografia há muito desejo oculto, muita necessidade de ser diferente e maior e melhor do que os outros, muita vaidade, muito amor próprio (...) bem disfarçado (...) E talvez em nenhum território humano apareça isso de maneira tão evidente como justamente no campo do espiritismo" ("Mistérios e Realidades deste e do Outro Mundo", pág. 277).

M.A. - Antes da citação de Silva Mello, as palavras são suas Quevedo ? Devem ser, pois segundo soube, Silva Mello nem fala do Chico na sua obra capenga. Se Chico realmente era homossexual, quem faz essa afirmação, deve arcar com o ônus da prova. E que provas o Sr Quevedo apresenta disso ? Nada além da sua própria declaração ? Também posso imaginar que todos os padres, por causa de seu voto de celibato obrigatório, sejam homosexuais pois só um pederasta se submeteria a viver assim, o que naturalmente não é justo nem exato. E mais grave ainda : Podem ser pedófilos, como muitos têm sido acusados ultimamente. Um aviso a qualquer psiquiatra medíore ou incompetente : Para se tornar um GRANDE PSIQUIATRA, escreva algum artigo contra o Espiritismo, dizendo que é causa de loucura ou o que valha. Se o fizer, será tido e havido pelos apologistas cristãos como uma sumidade na área médica, mesmo que nunca tenha escrito nada de valor em sua especialidade.

Inútil perguntar se o Silva Mello demostrou cabalmente o que diz. Há muitos médiuns psicógrafos ou não que não sentem quaisquer das necessidades apontadas pelo Silva, mas isso não interessa ao Quevedo. E falando desse Silva Mello, ele era um gastroenterologista e não psiquiatra !!! Escreveu o tal livro Mistérios como uma desesperada tentativa de se livrar de um medo mórbido : Medo de fantasmas. Ele próprio confessa isso no tal livro. Mas o recurso foi inútil : Mesmo negando a existência de fantasmas, Silva Mello continuou morrendo de medo deles. Por aí se vê o nível da qualidade dos sábios que Quevedo chama para afiançar a sua causa... 




P.Q. - Nada teria de mais que Chico Xavier tivesse alguma adivinhação, do pensamento ou realidade, em relação com alguma pessoa viva, no presente ou num passado ou futuro não muito distantes. Como tantas outras pessoas têm, ou mesmo todas alguma vez. Mas Chico Xavier não tinha um mínimo que fosse de controle da adivinhação, nem estava, contra o que afirmava, inspirado continuamente, ininterruptamente, dia e noite, especialmente por "Emmánuel" e mais outros 500 guias. Além de ganhar os 60 mil dólares com que durante 40 anos eu lhe vim desafiando em nome da Parapsicologia internacional,

M.A. - Seja honesto, Sr Quevedo: O senhor realmente dispõe de 60 mil dólares? Ou será que o senhor teve esses 60.000 em caixa alguma vez? Sabe, lembra-me de ter lido uma revista sua, uma tal que falava de licantropia lá no fim dos anos 70 onde havia um pedido cujos termos eram mais ou menos assim : A Parapsicologia é uma ciência que acaba de nascer e necessita de ajuda para se firmar e assim pedimos que qualquer contribuição seja remetida ao CLAP. Estranho um instituto estar pedindo contribuições quando tem 60.000 dólares disponíveis para pagar a desafiados. Mas me diga uma outra coisa : Está realmente disposto a pagá-los a quem provar alguma coisa de espírito ? E quem vai julgar se é ou não espírito. Não irá o senhor invocar o todo-poderoso inconsciente para recusar o pagamento do prêmio ? É o que eu faria no seu lugar. E eu lhe recomendo que gaste consigo mesmo esses 60 mil, afinal o senhor não é tão jovem, certo ?


Jefferson - Além disso, o sr. Quevedo reclamava dos baixos salários que ganhava da Globo, quando lá se apresentava com a ridícula alcunha de "Caçador de Enigmas". Ele pedia aumentos para que pudesse pagar os aluguéis da casa que abriga hoje o CLAP - Centro Latino Americano de Parapsicologia. Para quem se dispõe a pagar 60 mil dólares, a sua situação financeira não deveria ser tão ruim assim ... 




P.Q. - Chico não teria sido enganado por Otília Diogo nas fraudulentas materializações na própria casa de Chico Xavier, em Uberaba, farsa grosseira e contínua na que tão entusiasticamente colaborou, até ser tudo desmascarado pela equipe de repórteres (Revista "O Cruzeiro", ampla série de reportagens nos primeiros meses de 1964; e outras muitas reportagens posteriores, por exemplo 27-10-1970; e em outras revistas inclusive do estrangeiro, por exemplo, na revista "Creencias Populares", de Argentina, Março de 1975; e em jornais, por exemplo serie de quatro artigos em "A Gazeta" de Curitiba; etc.)

M.A. - Por educação eu diria que o Sr. Quevedo é mal informado, mas considerando sua atuação nas últimas décadas só se pode pensar em coisa pior. A tal fraude foi feita PELOS REPÓRTERES DO CRUZEIRO. Eles simplesmente engrupiram Chico, Waldo Vieira e os médicos que faziam a pesquisa com essa médium com uma reportagem neutra, sugerindo que estariam dispostos a um estudo imparcial sobre o caso. Foi o modo de como conseguiram que se permitisse a eles assistir a uma sessão de materialização com a tal médium. Foram 7 repórteres ao todo, sendo que dois ficaram do lado de fora do consultório do Waldo Vieira (ele era dentista na época) e 5 dentro, onde examinaram de tudo, até os saltos dos sapatos dos presentes em busca de qualquer indício de fraude, e algemaram a médium inclusive. Transcorreu toda a sessão, fotos foram tiradas, no final até rasgaram a roupa da médium e do Chico em busca de qualquer coisa errada, mas nada encontraram. Durante toda a sessão, em nenhum momento acharam algo, nada !

Na semana seguinte veio a primeira de uma série de reportagens que denunciavam fraudes. Engraçado, não ? Nada descobriram na sessão, mas "descobriram" depois. Faltou ao Sr Quevedo revelar que Luciano do Anjos e Jorge Rizzini, em programas televisivos desmascaram a fraude dos repórteres e expuseram tudo o que fizeram de errado. A desmoralização foi total, tanto que num ato de desespero até invocaram um repto de honra, que simplesmente foi desconsiderado pelos médicos, médium e Chico. Quanto às outras revistas, elas se baseram em quê ? Na reportagem do Cruzeiro ? Que mérito têm artigos baseados em outros artigos fraudulentos ? Ah ! Vou dar um boi : A médium em questão, achando que poderia ganhar dinheiro com sua mediunidade, passou a fazer sessões pagas, mas sua mediunidade decaiu e ela se viu obrigada a fraudar e daí vem a acusação. Mas não foi fraude o que houve naquela sessão em que os repórteres do Cruzeiro testemunharam... Mais detalhes a respeito podem ser obtidos no livro: Materializações de Uberaba, de Jorge Rizzini, 2 ed, 1997, editora Livro Fácil - Nova Luz Editora (que puder obter a edição de 1964, da Edicel, terá melhores fotos do que a atual). 




P.Q. - Entre outros muitos exemplos, não haveria obtido tão facilmente êxito o repórter Hamilton Ribeiro. A seu pedido, Chico Xavier "psicografou" uma mensagem do "espírito" da mãe do Sr. João Guignone, Presidente da Federação Espírita do Paraná. Acontece que foi artimanha do repórter, a senhora "comunicante" está viva em Curitiba. Aconteceu com o sr. João Guignone, presidente da Federação Espírita do Paraná. Ao chegar a sua vez de abraçar o médium, ouviu-o dizer: - Sabe quem está aqui do meu lado, cheia de emoção e querendo abraça-lo ? Sua mãe ! O sr. João fingiu alegria, manteve a aparência e depois comentou com um companheiro : - Acho que o Chico não está regulando bem. Disse que viu ao seu lado o espírito, de minha mãe, e mamãe está viva em Curitiba ! Bem, foi ele chegar ao hotel e um interurbano do Paraná lhe dava a notícia.

M.A. - Vejamos o que diz o artigo da Revista Realidade de novembro de 1971 :

" Para os doutrinadores, a sessão terminou. Para Chico, é apenas uma mudança de fase: agora ele vai atender às centenas de pessoas que estão ali há várias horas, vindas de vários lugares, para vê-lo, ouvi-lo, toca-lo. Para obter dele uma assinatura, um lápis usado, um botão de sua roupa, uma relíquia qualquer. A algumas pessoas proporcionará um sinal ou dirá algo que depois vai correr de boca em boca, como mais uma manifestação de "Vida Maior". Aconteceu com o sr. João Guignone, presidente da Federação Espírita do Paraná. Ao chegar a sua vez de abraçar o médium, ouviu-o dizer:

- Sabe quem está aqui do meu lado, cheia de emoção e querendo abraça-lo? Sua mãe !

O sr. João fingiu alegria, manteve a aparência e depois comentou com um companheiro :

- Acho que o Chico não está regulando bem. Disse que viu ao seu lado o espírito, de minha mãe, e mamãe está viva em Curitiba! Bem, foi ele chegar ao hotel e um interurbano do Paraná lhe dava a notícia.

A paciência de Chico para atender às pessoas vai longe. Não pára de autografar livros, de interpretar situações, de dar conselhos e recomendar humildade, boas ações, espírito cristão. "


Como se vê, o Sr Quevedo nem sabe ler direito : Não houve mensagem alguma ! Nem artimanha do repórter. Houve, isso sim, uma falta de discernimento do João Guignone, pois espíritos de vivos podem deixar o corpo e se manifestarem em outro lugar. Devia ter perguntado : - Mas minha mãe faleceu ? Ela estava viva quando a deixei em Curitiba ! Agora falta um dado IMPORTANTÍSIMO : Qual era a notícia do interurbano ?


Jefferson - Agora, vamos transcrever o e-mail que enviei à FEP - Federação Espírita do Paraná, solicitando informações a respeito desse assunto e que põe um ponto final a mais essa tentativa inescrupulosa do sr. Quevededo para desmoralizar Chico Xavier :


----- Original Message -----

From: jbenetton@ubbi.com.br
To: fep@feparana.com.br
Sent: Tuesday, April 29, 2003 3:10 PM
Subject: João Ghignone


Prezados Senhores

Sou Kardecista há mais de 17 anos. Já li mais de 25 Obras psicografadas por Chico Xavier, dentre outros. Tenho um Site que aborda temas Espirituais.

Recebi, recentemente, uma indagação de um leitor que soube de um episódio ocorrido com João Ghignone, Ex-Presidente da Federação Espírita do Paraná, envolvendo a Figura do Eminente Espírita Chico Xavier. Eis o relato :

"Aconteceu com o sr. João Guignone, presidente da Federação Espírita do Paraná. Ao chegar a sua vez de abraçar o médium, ouviu-o dizer :

- Sabe quem está aqui do meu lado, cheia de emoção e querendo abraça-lo ? Sua mãe !

O Sr. João fingiu alegria, manteve a aparência e depois comentou com um companheiro :

- Acho que o Chico não está regulando bem. Disse que viu ao seu lado o espírito, de minha mãe, e mamãe está viva em Curitiba ! Bem, foi ele chegar ao hotel e um interurbano do Paraná lhe dava a notícia."

Pergunto a V.Sas. : O que realmente teria acontecido ? A Mãe de João Ghignone ainda estava viva ? Que notícias teria recebido João Ghignone, de um interurbano ao chegar no hotel em Uberaba ?

Recebo muitas indagações sobre o Espiritismo e sobre Chico. Se puderem me ajudar, ficarei muito grato.

Atenciosamente,

Jefferson


---------------



RESPOSTA DA FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO PARANÁ




Data: 03/05/2003 8:23:41
De: FEP - fep@feparana.com.br
Para: jbenetton@ubbi.com.br
Cc:
Assunto: Re: João Ghignone


Jeferson,

O que sabemos, e relatado pelo próprio Ghignone, é que, ao chegar ao Hotel, ele recebeu a informação de que sua mãe desencarnara.
Portanto, Chico estava correto em sua informação.


Abraços

Federação Espírita do Paraná.


-----Fim da Mensagem-----


Preciso dizer mais ???   E aí, Sr. Quevedo, como ficamos ??? 





P.Q. - Continua o repórter Hamilton Ribeiro: "Agora vou ler a receita psicografada do pedido que fiz hoje em nome de Pedro Alcântara Rodrigues, alameda Barão de Limeira, 1327, ap. 82, São Paulo (...) Na letra inconfundível da psicografia (de Chico Xavier), lá está: 'Junto dos amigos espirituais que lhe prestam auxílio, buscaremos cooperar espiritualmente em seu favor. Jesus nos abençoe'". "O que pensar disso? Nem a pessoa com aquele nome, nem mesmo esse endereço existem. Eu os inventei" (Revista "Realidade", Novembro 1971).

M.A. - Essa tal "receita" é uma piada : Qualquer um poderia redigi-la. O próprio José Hamilton Ribeiro, autor do artigo, mesmo comenta que nada havia de receita, só a mensagem. Agora fazendo um parêntese : Tanto na Igreja Católica, como nas protestantes, Deus, Jesus, santos, anjos, Maria, etc e tal, são apresentados como gênios da lâmpada : Sempre são dados como prontos a atender nossos pedidos, sejam quais forem. Quevedo, fazendo o seu próprio espiritismo, quer apresentar as entidades espirituais como criadinhos às nossas ordens, dotados de sistemas computadorizados com bancos de dados perfeitos, completos e infalíveis, sempre prontos a darem respostas corretas, de forma não por nenhum médium em dificuldades. Esse é o espiritismo quevediano. A realidade é muito outra : Os espíritos somos nós sem corpo. Não ficamos de posse de plena sabedoria só porque nos libertamos da carne. E portanto, mesmo com sua equipe espiritual, Chico ou qualquer outro médium não pode deter todo o conhecimento de forma a dar receitas ou respostas corretas ao primeiro que se apresente. Isso não existe. Daí então Chico poderia se enganar ? Lógico que podia ! Para o Espiritismo isso é normal e esperado; mas para o Sr Quevedo, com sua boca torta pelo uso do cachimbo... 



P.Q. - Enfim, servimo-nos da recomendação aos espiritistas proferida pelo crítico literário João Dornas Filho que, como vimos, tanto invocavam deturpando-o: "Não devem lançar mão de fenômenos que não têm a transcendência que supõem, dados os veementes indícios de que interessam mais à psiquiatria (...) O fanatismo é o aniquilamento de todas as construções realistas (...) A psicografia (...), já está tomando ares dogmáticos que a boa razão absolutamente não aceita" ("Folha da Manhã", S.P., 19-Abril-1945)

M.A. - Concordo até com o Dornas, mas o Sr Quevedo também nada provou do que disse. Falou, falou, mas não provou nada. Valem para ele sua cumpinchada as mesmas palavras do Dornas.

Ah ! Quevedo, ficou faltando falar da fraude do saco de perfume, segundo o qual o senhor dizia que Chico fora surpreendido com ele, quando tentava simular um cheiro de santidade. Disse o senhor numa entrevista que isso estaria numa reportagem da revista Manchete, como sempre sem citar ano, número ou mês. Escrevi ao CLAP pedindo essas indicações e a resposta foi que vocês estão sem tempo para pesquisar na biblioteca deles... Carlos de Brito Imbassahy, a quem escrevi a respeito confirmou-me a respeito do seu pessoal do CLAP: Há muito tempo que eles não têm tempo !

Uma pena, Sr Quevedo...

Marcos Arduin


FECHA ASPAS. 



7 comentários:

Jeferson Torres disse...

Olá. Tenho estudado o caso e tenho uma pergunta:

Considerando o caso da comunicação da mãe de Ghignone como verídica: o espírito da desencarnada realmente usou-se da mediunidade de Chico Xavier para comunicar-se com seu filho. Fica a questão:

Sabemos que os estudos da tautologia demonstram que entre a morte clínica (a morte cerebral) e a morte real (a completa falência e morte, de fato, total, de todos os órgãos do corpo) pode existir um intervalo de até 20 dias. O corpo pode mesmo apresentar indícios aparentemente vitais mesmo depois da morte clínica, antes da real, como pequenos movimentos involuntários, eliminação de gases e escrementos e, em alguns casos, pode ocorrer até mesmo o ressucitamento do falecido.

A alma é princípio vital que vivifica o corpo humano, garantindo assim a vida que, animada (dotada de alma, "anima"), revela inteligência e ação. A ideia de que um morto clínico, porém não real (moribundo), ou seja, de alguém cuja morte cerebral possa, talvez, ter se dado, mas não aquela real, parece, portanto, pouco cabível. A propósito, tal é o que nota Quevedo em sua obra "Os espíritos e os efeitos parafísicos", no último capítulo, sob o subtítulo "Tautologia".

Agradeço desde já pela resposta.

espiritismoehcristao disse...

Há quase um ano que não entro aqui, então em primeiro lugar me desculpe pela demora em te responder...
Um morto clínico ou até mesmo uma pessoa gozando de saúde perfeita pode, sim, se manifestar através de um médium, pois todos nós temos um espírito. Eu já falei sobre isso aqui e o próprio texto respondido por você já diz " espíritos de vivos podem deixar o corpo e se manifestarem em outro lugar.". E ainda assim, ninguém tem provas para afirmar que ela havia ou não passado pela morte real.

Antonio Reinaldo disse...

Prezado Marcos,

Eu te parabenizo pelo bom trabalho feito para, pacientemente, expor mais fatos sobre os ataques do P.Q. ao Chico.
Francamente, eu acho que agora o Chico não deve estar ligando a mínima para as investidas do P.Q. Ele é muito maior do que tudo o padre tentou insinuar.
De maneira bem pretensiosa de minha parte, acho até que ambos irão se encontrar na pátria espiritual. Lá, acredito que tudo será diferente.
Apesar de tudo, o Chico, se aqui estivesse, nos pediria respeito às opiniões do P.Q. e orações por ele. Que espírito elevado foi o Chico!!

Abraços e tudo de bom

Unknown disse...

O fato é que os fenômenos dos espíritos sempre existiram. E existem diversos relatos até mesmo na bíblia e quase todas as pessoas já tiveram alguma experiência. E o fato de pessoas como o pe quevedo negarem é o fato de que o ensinamento dos espíritos contrária toda dogmática católica. E se qualquer pessoa se aprofundar nos estudos verá que o catolicismo com todo respeito para não ficar ultrapassado deveria se unir a verdade dos espíritos e da reencarnação que não é um ensinamento novo visto que o povo da índia desde tempos imemoriais já tinham percebido esse fenômeno. O senhor quevedo simboliza o medo da dogmática catolica anti ciência contra as verdades espirituais atemporais

Unknown disse...

O próprio Waldo Vieira amigo intimo de Chico Xavier declarou que Chico Xavier passava o dia mentindo, que gostava mesmo era de mentir então como saber o que é mentira e o que verdade saindo de uma fonte de mentiras.

Spoudaios disse...

"Onde foi dito ou demonstrado que ele NÃO SABIA O QUE PSICOGRAFAVA ? Nunca soube que Chico fosse um médium mecânico, ou seja, aquele que psicografa o psicofone sem saber nada do que diz ou escreve. O senhor saberia informar melhor ? Além disso, como é que ficou comprovado o seu ponto de vista nos programas indicados acima ? Como o Sr. Quevedo adora falar como se todo mundo soubesse do que fala... "

Chico Xavier diz que nem sempre entendia o que psicografava no primeiro programa Pinga Fogo por volta da 1h:22min de entrevista, em vídeo clássico disponível no youtube há vários anos. Achei que todo espírita tivesse conhecimento disso.

Spoudaios disse...

"Onde foi dito ou demonstrado que ele NÃO SABIA O QUE PSICOGRAFAVA ? Nunca soube que Chico fosse um médium mecânico, ou seja, aquele que psicografa o psicofone sem saber nada do que diz ou escreve. O senhor saberia informar melhor ? Além disso, como é que ficou comprovado o seu ponto de vista nos programas indicados acima ? Como o Sr. Quevedo adora falar como se todo mundo soubesse do que fala... "

Vou facilitar, você pode se informar aqui, ouvindo da boca do Chico Xavier: https://youtu.be/RlFiB-P6Y40?t=1h22m7s

Aliás, boa parte do que você pede ao Pe. Quevedo em seu texto é facilmente encontrado na internet. Quem procura, acha, é preciso um mínimo de interesse e amor à verdade.

Postar um comentário