"Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros." (João 13:35) "Onde estiverem reunidos, em Meu nome, dois ou três, lá estarei no meio deles." (Mateus 18:20)

Translate


Pesquisar

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Sobre o sofrimento dos animais

Perguntam: "Se sofremos pelo que fizemos em outras vidas, como explicar o sofrimento dos animais, que não têm consciência ?"
Disse assim Chico Xavier em entrevista ao jornal O Espírita Mineiro, de junho de 1991:
"Nossos benfeitores espirituais nos esclarecem que é preciso que todos nós consideremos que os animais diversos, a nos rodearem a existência de seres humanos em evolução no Planeta Terra, são nossos irmãos menores, desenvolvendo em si mesmos o próprio princípio inteligente. Se nós, seres humanos já alcançamos os domínios da inteligência, desenvolvendo agora as potências intuitivas, eles, os animais, estão aperfeiçoando paulatinamente seus instintos na busca da inteligência. Da mesma maneira que nós humanos aspiramos alcançar algum dia a angelitude na Vida Maior, personificada em Nosso Mestre e Senhor Jesus, eles, os animais, aspiram ser no futuro distante homens e mulheres inteligentes e livres. Assim sendo, nós podemos nos considerar como irmãos mais velhos e mais experimentados dos animais. Ora, nós já sabemos que a Lei Divina institui a Solidariedade entre os seres, e por isso, podemos facilmente concluir que a nós, seres humanos, Deus outorgou a condução e a proteção de nossos irmãos mais novos, os animais.
(...) : Por ventura nós, os homens, não temos nos convertido em algozes impiedosos dos animais ao invés de seus protetores fiéis? Quem ignora que a vaca sofre imensamente a caminho do matadouro? Quem desconhece que minutos antes do golpe fatal, os bovinos derramam lágrimas de angústia? Não temos treinado determinadas raças de cães exaustivamente para o morticínio e o ataque? Que dizermos das caçadas impiedosas de aves e animais silvestres, unicamente por prazer esportivo? Que dizermos das
devastações inconseqüentes ao meio ambiente? Tudo isso se resume em graves responsabilidades para os seres humanos! A angústia, o medo e o ódio que provocamos nos animais lhes altera o equilíbrio natural de seus princípios espirituais, determinando ajustamento em posteriores existências, a se configurarem por deformidade congênitas. A responsabilidade maior recairá sempre nos desvios de nós mesmos, os seres humanos, que não soubemos guiar os animais à senda do Amor e do Progresso, segundo a vontade de Deus.

  Agora vejamos, se determinado cão é treinado para o ataque e a morte com requintes de crueldade, se ele é programado para o mal, pode ocorrer que em determinado momento de superexcitação, esse mesmo cão treinado para atacar os estranhos, ataque as crianças de sua própria casa ou os próprios donos. Aí teremos um desajuste induzido pela irresponsabilidade humana. Ora, esse mesmo cão aspira crescer espiritualmente para a Inteligência e o Livre-arbítrio. Mas, para isso ele precisará experimentar o sofrimento que lhe reajuste o campo emotivo, apreendendo a pouco e pouco a Lei de Ação e Reação. Assim, ele provavelmente renascerá com sérias inibições congênitas. A responsabilidade de tudo isso, no entanto, dever-se-á a maldade humana. "

2 comentários:

Norinha disse...

a meu ver, os animais não tem ódio, sentem sim, medo, angustia, desespero, depressão por não poder exercitar seus extintos próprios que é a sua vida e mesmo, quando um animal mata, o faz por subsistência de sua espécie, já li artigo que fala que uma loba comeu o filhote mais fraco e sem condições para garantir a vida dos demais porque ficou presa. O homem não!! mata, explora, modifica as estruturas criadas de vários seres, quando deveria proteger, mistura espécie, faz uma fêmea reproduzir um filhote maior do que sua condição fisica - induz em sofrimento mui grande e alguns mais atrasados espiritualmente, inclusive, se deleitam em touradas, briga de galos, de cães, etc, onde submete o animal a ficar submisso e no caso do touro enfraquecido e esgotado para então golpeá-lo; do contrario não conseguiria abatê-lo. Moral: a irracionalidade no meu ponto de vista é humana, e para mim é insanidade comemorar o natal com varios cadáveres na mesa. Eu nunca entendi o Natal assim desde menina. Isso é de cada pessoa e as pessoas mudam o tempo todo, mas é preciso, ler se interessar, pensar, contribuir com o que Jesus veio realmente ensinar.bye!!

Norinha disse...

a meu ver, os animais não tem ódio, sentem sim, medo, angustia, desespero, depressão por não poder exercitar seus extintos próprios que é a sua vida e mesmo, quando um animal mata, o faz por subsistência de sua espécie, já li artigo que fala que uma loba comeu o filhote mais fraco e sem condições para garantir a vida dos demais porque ficou presa. O homem não!! mata, explora, modifica as estruturas criadas de vários seres, quando deveria proteger, mistura espécie, faz uma fêmea reproduzir um filhote maior do que sua condição fisica - induz em sofrimento mui grande e alguns mais atrasados espiritualmente, inclusive, se deleitam em touradas, briga de galos, de cães, etc, onde submete o animal a ficar submisso e no caso do touro enfraquecido e esgotado para então golpeá-lo; do contrario não conseguiria abatê-lo. Moral: a irracionalidade no meu ponto de vista é humana, e para mim é insanidade comemorar o natal com varios cadáveres na mesa. Eu nunca entendi o Natal assim desde menina. Isso é de cada pessoa e as pessoas mudam o tempo todo, mas é preciso, ler se interessar, pensar, contribuir com o que Jesus veio realmente ensinar.bye!!

Postar um comentário