"Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros." (João 13:35) "Onde estiverem reunidos, em Meu nome, dois ou três, lá estarei no meio deles." (Mateus 18:20)

Translate


Pesquisar

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Lázaro, Ressurreição, Padre Quevedo e tautologia

Estive ausente. Há quase 1 ano não posto nada, e no meu retorno responderei a alguns comentaristas que passaram por aqui.

Na minha postagem com respostas aos argumentos do Padre Quevedo, comentaram da seguinte forma:

Jeferson Torres disse...

Olá. Tenho estudado o caso e tenho uma pergunta:

Considerando o caso da comunicação da mãe de Ghignone como verídica: o espírito da desencarnada realmente usou-se da mediunidade de Chico Xavier para comunicar-se com seu filho. Fica a questão:

Sabemos que os estudos da tautologia demonstram que entre a morte clínica (a morte cerebral) e a morte real (a completa falência e morte, de fato, total, de todos os órgãos do corpo) pode existir um intervalo de até 20 dias. O corpo pode mesmo apresentar indícios aparentemente vitais mesmo depois da morte clínica, antes da real, como pequenos movimentos involuntários, eliminação de gases e escrementos e, em alguns casos, pode ocorrer até mesmo o ressucitamento do falecido.

A alma é princípio vital que vivifica o corpo humano, garantindo assim a vida que, animada (dotada de alma, "anima"), revela inteligência e ação. A ideia de que um morto clínico, porém não real (moribundo), ou seja, de alguém cuja morte cerebral possa, talvez, ter se dado, mas não aquela real, parece, portanto, pouco cabível. A propósito, tal é o que nota Quevedo em sua obra "Os espíritos e os efeitos parafísicos", no último capítulo, sob o subtítulo "Tautologia".

Agradeço desde já pela resposta.
18 de agosto de 2011 19:55 

Resposta: 
Um morto clínico ou até mesmo uma pessoa gozando de saúde perfeita pode, sim, se manifestar através de um médium, pois todos nós temos um espírito. Eu já falei sobre isso aqui e o próprio texto respondido por você já diz " espíritos de vivos podem deixar o corpo e se manifestarem em outro lugar.". E ainda assim, ninguém tem provas para afirmar que ela havia ou não passado pela morte real. Como você disse, pode demorar 20 dias. Não é uma regra.Talvez ela tenha partido imediatamente. Quanto a isso, ninguém sabe de nada.


No meu tópico sobre História da Reencarnação


Taíso Adriano de Carvalho disse...

Letargia? Vc, obiviamente sabe o que é isso? É a perda temporária dos sentidos, sonolencia, ausencia de movimentos, indiferença. Lázaro estava morto faziam 3 dias e, seu corpo em estado inicial de putrefação, exalando cheiro característico do estado cadavérico. Ao que tudo indica (pelo relato da Bíblia de onde voce tirou esta história/afirmação) Jesus trouxe este corpo em estado de decomposição e total ausencia de vida, de volta ao mundo dos fisicos, ou seja, este corpo foi novamente reavivado. Ele não reencarnou, ele ressurgiu novamente, exatamente como era antes, recuperando sua consciencia e sentidos.
Não é uma critica ao seu trabalho, mas sim uma colaboração já que neste ponto o assunto esta mau colocado.
Abraços!
30 de julho de 2011 11:52 


Resposta:


No meu texto em momento algum digo que ele reencarnou. Pelo contrário, eu separo muito bem as coisas. Sobre a ressurreição de Lázaro e de outros na Bíblia, me aprofundo em outro tópico.
Quanto a estar em estado de putrefação, isso é você quem diz. Esta escrito que Marta disse que ele cheirava mal, mas nada comprova que estava cheirando mal por estar se decompondo. Veja que no comentário acima um seguidor do Quevedo e adversário do Espiritismo é quem afirma que uma pessoa pode passar até 20 dias em estado de morte clínica e não real, portanto 3 dias não são nada.







,

Nenhum comentário:

Postar um comentário