"Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros." (João 13:35) "Onde estiverem reunidos, em Meu nome, dois ou três, lá estarei no meio deles." (Mateus 18:20)

Translate


Pesquisar

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Resposta: Deturpações da Bíblia

Resposta ao Blog Espiritismo.
Texto do Blog em vermelho, seguidos dos meus comentários.


O "codificador" do espiritismo, Alan Kardec, procurou dar à doutrina por ele criada um cunho cristão...
Para que a doutrina soprada por "espíritos", que à luz da Ecritura são demónios, parecesse credível, Kardec foi à Bíblia, retirou textos do contexto, deturpou-os a seu bel-prazer, mas esqueceu-se de que a Palavra de Deus é fiel e verdadeira!

A blogueira afirma que "à luz da Escritura", espíritos são todos demônios.
Primeiramente, gostaria de dizer que continuo desafiando em meu blog que me provem, "à luz da Escritura", que:


1) A proibição a comunicação com mortos ocorreu porque mortos não se comunicam(ou seja, se proibe o impossível, como um "não flutue na grama") e na verdade são demônios se passando por mortos. Mas quero ver capítulo, versículo, que comprove isso, pois até hoje não achei nenhuma referência a isso(ou seja, a de que "proibiram a comunicação porque ela não acontece e são demônios enganando"). 
2) Samuel não se manifestou após a morte e na verdade era o diabo enganando, também com capítulo, versículo, que deixe isso bem claro, e sem sair da contradição que é: a Bíblia é infalível e perfeita quando interessa. Quando não interessa, há a manifestação do diabo querendo nos fazer crer que espíritos de mortos se manifestam.

Lanço esse desafio e digo que se isso for provado, fecharei meu blog. E então aceitarei o argumento de que são os espíritas que deturpam o que está claramente escrito.

Continuarei com o texto do blog anti-espírita.



Não há nela erros ou contradições.
Quem é que se deixa enganar por doutrinas supostamente cristãs que na realidade não o são?
Todos aqueles que não conhecem a Palavra de Deus, ou, não a recebem como tal.
Todos aqueles que têm sede de Deus, mas se recusam a aceitar a Sua graça, achando que depende do homem chegar a Deus...

Se não depende do homem como a blogueira diz, para que se converter, se batizar, ir a igreja, pagar o dízimo, aceitar o dogma do sacrifício vicário, adorar Jesus como Filho de Deus que se fez carne....? Que "graça" é essa, se simplesmente amar ao seu próximo sem desejar nada em troca não basta??
Que "graça" é essa se o homem bondoso, cheio de virtudes, que faz o bem apenas por amor e mais nada, pode penar eternamente no fogo do inferno se não acreditar no Filho de Deus - que seria aliás o próprio Deus - que se fez carne para nos "Salvar" , mas na verdade condena  a maior parte da Humanidade que nisso não acredita? São outras questões sem respostas.
A blogueira afirma que não há contradições. Sobre isso, voltarei a falar mais à frente.


Vejamos:
1) Segundo os ensinos de Kardec, se João Baptista era Elias reencarnado, porque então não apareceu João Baptista no monte da transfiguração, visto já ter morrido?

 Se João estivesse vivo, a afirmação espírita de que era o mesmo espírito estaria equivocada. Mas a blogueira mesmo afirma que João havia morrido, o que reforça a afirmação espírita.

a_ Ambos representam a lei e os profetas, respectivamente.
Vejamos em Judas 1:9, onde há uma alusão a respeito de Moisés, e II Reis 2:11, que narra a história a respeito do arrebatamento de Elias – teceremos maiores comentários adiante.
A presença física de Pedro, Tiago e João cumpria cabalmente a Lei de Moisés, a respeito da necessidade da presença de três testemunhas, para revelarem posteriormente a sua visão, e que Jesus Cristo era, e é o Filho amado do Deus vivo.
No versículo 9 de Mateus, no capítulo 17 cita:”... Jesus lhe ordenou, dizendo: A ninguém contais a visão até que o filho do homem seja ressuscitado dos mortos”, mas porquê?
Resposta: quanto mais perto da cruz se aproximava, o Senhor Jesus, evitava qualquer manifestação popular em seu favor, que bem podia ter acontecido se os discípulos tivessem proclamado o que presenciaram, já que a palavra de três testemunhas para os judeus tem grande peso.

Com  o fenômeno da transfiguração e com a presença dos 2 espíritos, Cristo demonstrava a existência do corpo espiritual, o que o Espiritismo chama de perispírito. Por isso. Cristo fala sobre esperar a sua ressurreição para contar sobre aquilo, pois o corpo ressurrecto também era espiritual e somente mais tarde estariam prontos para entender isso. 


b) _ Podemos observar no velho testamento que o Espírito Santo actuava por meio dos homens específicos e escolhidos por Deus para um propósito divino, (ver I Pedro 1:10-11/ Actos 1:16).
No caso de João Baptista, como Jesus ainda não tinha ressuscitado, o Espírito Santo actuava da mesma forma que no Velho Testamento.
Após a ressurreição de Cristo, e nos dias atuais, o Espírito Santo habita em todo o povo de Deus, povo este que aceitou e confessou a Jesus como seu Salvador e Senhor pessoal, (ver Rom.10:9), deixando de ser simples criaturas para se tornarem filhos de Deus (veja I João 3:10 e João 1 :12).

Espírito algum transforma as pessoas, muito menos são transformados esses que se dedicam a atacar a religião dos outros e não a pregar o amor como Cristo nos ensinou. Evangélicos ainda acreditam que basta "crer" para o Espírito Santo mudar a pessoa, e enquanto isso os ditos cristãos continuam a fugir da verdadeira essência do Evangelho, que é a prática dos ensinos do Cristo, e não uma transformação mágica. Jesus disse que para sermos merecedores do título Filho de Deus, como ele mesmo o foi, devemos buscar sermos perfeitos como o Pai, e disse que essa perfeição consistia em amar até nossos inimigos.


Note: que em Lucas 1:13-17, no qual está escrito no versículo 17: “...e irá adiante dele o espírito e virtude de Elias, para converter os corações dos pais aos filhos, e os rebeldes à prudência dos justos...”.
Então, observamos a fidelidade inabalável do profeta Elias a Deus e ao seu conserto, que o faz, para todo o sempre, um exemplo de fé, coragem e lealdade a Deus, perante intensa perseguição e oposição.
Elias opunha-se, com resoluta persistência às falsas religiões e seus adeptos. Tal virtude espiritual como é aludido no evangelho de Lucas, está presente em João Baptista, e no próprio Cristo, virtude essa que provém do Santo Espírito de Deus.

Presente também em João Batista pois era o mesmo espírito.
Lucas 1:17 diz, anunciando o nascimento de João Batista: "E irá adiante dele no espírito e poder de Elias, para converter os desobedientes à prudência dos justos e habilitar para o Senhor um povo preparado". Os apologistas cristãos dizem que isto "não quer dizer, de forma nenhuma, que João fosse Elias, mas que no seu ministério profético, haveria peculiaridades do ministério de Elias". 
Algumas traduções dizem exatamente COM o espírito de Elias. Seja "com" ou "no" isso é exatamente reencarnar. João Batista estava no/com espírito de Elias porque era Elias. Mas, claro, se fosse só esse versículo não provaria nada. Há outras provas, e me aprofundo mais sobre o assunto aqui: http://espiritismoehcristao.blogspot.com/2011/02/joao-batista-reencarnacao-de-elias.html

c) _ João Baptista era de facto o que está escrito em Mateus 11:10 e João 1:23, e não o Elias reencarnado.
Contudo, tinha características e uma missão semelhantes. Citemos em Malaquias 4:5-6, que regista a profecia metafórica (que tem relação de semelhança) de reaparição de Elias, a qual se cumpriu como disse Jesus, em João Baptista, (Mt 11:14-15;Lc 1 :17).
Em Mateus 11:13 Jesus revela todos os profetas que profetizaram até João, o discípulo (que escreveu o livro de Apoc.). E isto inclui Elias; e a eles Jesus acrescenta João Baptista, mas não como profeta.
O Espírito Santo de Deus é quem conduzia e inspirava João Baptista (Lc. 1 :15), e ele foi morto; também o filho do homem, Jesus, defrontaria um destino semelhante. Percebe-se que, a missão de ambos, João e Elias, era preparatória dos propósitos de Deus, e que João Baptista veio ligar o velho com o novo testamento.
Em Lucas 4:14 e 18, pela mesma virtude do Espírito Santo, Cristo cumpria os propósitos maiores do Pai, porque, diz o texto: " O espírito do Senhor é sobre mim..."- aí, demonstra-se que cumpriu a profecia de Isaías (ver Is. 61:1).

Claro que eram semelhantes, pois o espírito era o mesmo.
Onde fica aquilo que usam como regra de interpretação, "A Bíblia interpreta a própria Bíblia”, diante do fato de que a Bíblia afirma que Elias veio e não foi reconhecido, e os apóstolos entenderam que ele falava de João Batista? Por coerência, deveriam sempre aceitar o que está escrito, sem procurar explicações alternativas diante de algo que os contraria frontalmente.

Lógicamente, não justifica o pensar dos escribas, intérpretes credenciados das escrituras Hebraicas, quando faz alusão os discípulos de Jesus, à pergunta em Mateus 17:10, que diz:”... porque dizem então os escribas que é mister que Elias venha primeiro?”
A hipótese dos escribas era a de que a ressurreição de Cristo significaria o fim do mundo e a iniciação do Reino do Messias.
Assim, concluíam que era necessário Elias voltar e manifestar-se públicamente primeiro e, assim o foi na presença das três testemunhas já ditas, sua aparição no monte só por si, justificaria essa espera, cumprindo-se o que havia sido dito, contudo, não compreendido pelos mesmos e pelos judeus, quando veio o povo a tomar conhecimento deste facto, após a ressurreição de Jesus.

A blogueira quer fazer crer que a volta prometida de Elias foi no Monte Tabor, fato desmentido pela própria Biblia, pois a seguir Cristo responde que "Elias veio, mas não foi reconhecido" e é dito que os apóstolos entenderam que Cristo falava sobre João Batista.. Portanto, a quem a blogueira pensa que engana?
Cristo confirma a volta de Elias: "E desde os dias de João, o Batista, até agora, o reino dos céus é tomado a força, e os violentos o tomam de assalto. Pois todos os profetas e a lei profetizaram até João. E, se quereis dar crédito, é este o Elias que havia de vir. Quem tem ouvidos, ouça. " (Mateus 11:12-15)  
   "Desde os dias de João Batista até agora": o que significa isso, já que João Batista estava vivo? Diz Kardec em O Evangelho Segundo o Espiritismo: "Jesus explica, dizendo: "Se quiserdes compreender o que eu digo, ele mesmo é  o Elias que há de vir'. Ora, sendo João o próprio Elias, Jesus alude a época em que João vivia com o nome de Elias. "Até ao presente o reino dos céus é tomado pela violência": outra alusão a violência da lei mosaica, que ordenava o extermínio dos infiéis, para que os demais ganhassem a Terra Prometida, Paraíso dos hebreus, ao passo que, segundo a nova lei, o céu se ganha pela caridade e pela brandura.  E acrescentou: "Ouça aquele que tiver ouvidos de ouvir". Estas palavras, que Jesus tanto repetiu, claramente dizem que nem todos estavam em condições de compreender certas verdades. " 
Estamos vendo quem deturpa a Bíblia, afinal.

Citamos em João 1:21 que narra a fala de João Baptista: "...és tu Elias? E disse: não sou. És tu profeta? E respondeu :não.", quando também já havia negado enfáticamente que não era Cristo e bem disse: "...Eu sou a voz que clama no deserto..." (João 1 :23).

Os espíritas refutam dizendo que João não se lembrava que era Elias, e que nós não lembramos de quem éramos. (Só Kardec e muitos espíritas se lembram de quem foram? Se fosse isso, o facto de não se lembrar, João poderia ter dito... não me lembro?)
Ora, João afirmara o que Jesus testificaria depois em Mateus 11:9, que João Baptista era muito mais que um profeta, um anjo do Senhor, (ver Mateus 11:10,11 e Malaquias 3:1). João nega ser Cristo, Elias e o profeta predito por Moisés em Deuteronômio 18:15; e sim um instrumento do próprio Deus, que por seu meio advertia os homens do pecado, da justiça e do juízo, descartando com a sua resposta, a suposição dos enviados dos fariseus.

Mesmo que soubesse que era Elias, não estaria mentindo, pois a personalidade agora seria outra: João Batista e não mais Elias. Mas havia um grande motivo pra ele não saber quem era, como mostrarei. 
  Jesus disse: "em verdade vos digo: entre os nascidos de mulher, ninguém apareceu maior do que João Batista; mas o menor no reino dos céus é maior do que ele" (Mateus 11:11) 
Por que João Batista, segundo Jesus, era ainda menor do que o "menor no reino dos céus" ? 
  Disse o Cristo em seu Sermão da Montanha: 
"Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja cumprido.Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus." (Mateus 5:17-19) 
  Notem que é o mesmo Evangelho (o  de Mateus) onde Jesus afirma que o menor no reino dos céus é maior do que João Batista.  Também é o mesmo Evangelho onde, após a transfiguração de Jesus e a materialização dos espíritos Elias e Moisés, se confirma que Elias veio como João Batista e não foi reconhecido. Cristo diz "seráchamado..." no capítulo 5 e no capítulo 11 João é chamado exatamente daquela forma. "Menor no reino dos céus", então, seria um título, uma nomeação, para aqueles que já estão no chamado "reino dos céus",  aqueles espíritos  que vêm ao mundo   em missão (os profetas como Elias, no caso), mas que ainda estão entre os "menores", porque contrariaram um dos mandamentos divinos e ensinaram errado aos homens. 
E qual mandamento João Batista violou e ensinou errado aos homens, para não ser nem mesmo um dos menores, mas o menor dos menores no reino dos céus? Evangelho algum mostra João contrariando um dos mandamentos. Agora, quando o espírito de João Batista animava o corpo de Elias, o mandamento violado foi o maior deles: "não matarás". Como Elias, ele mandara degolar implacavelmente os sacerdotes do Baal no dramático desafio narrado em I Reis 18:40: "Disse-lhes Elias: Agarrai os profetas de Baal; que nenhum deles escape. Agarram-nos. Elias fê-los descer a torrente de Kishon e ali os matou". 
Como um profeta, um médium, um escolhido por Deus, um homem com a missão de ensinar grandes coisas aos homens, a responsabilidade de Elias era muito maior. 
Agora, vamos ver direito o que Jesus em Mateus 11 diz sobre João: "Em verdade vos digo que, entre os nascidos de mulher, não surgiu outro maior do que João, o Batista; mas aquele que é o menor no reino dos céus é maior do que ele. E desde os dias de João, o Batista, até agora, o reino dos céus é tomado a força, e os violentos o tomam de assalto. Pois todos os profetas e a lei profetizaram até João. E, se quereis dar crédito, é este o Elias que havia de vir. Quem tem ouvidos, ouça. " (Mateus 11:11-15) 
Como foi explicado, citando Kardec,  Jesus faz referência a violência do "tempo de João Batista" (Elias) e outros que violavam o mandamento "Não Matarás", seguindo preceitos humanos, e ensinavam errado aos homens, dizendo que o próprio Deus ditava aquelas leis. Mas Deus não ordena e nunca ordenou a morte de ninguém. Como disse o Cristo: "Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento.  Este é o grande e primeiro mandamento.  E o segundo, semelhante a este, é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo.  Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas. (Matheus 22:37-40) . Paulo também disse: "Com efeito: Não adulterarás; não matarás; não furtarás; não cobiçarás; e se há algum outro mandamento, tudo nesta palavra se resume: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. (Romanos 13:9)" O que aí não se inclui, são leis humanas e não divinas e imutáveis. "Não matarás" é um preceito divino e imutável. 
Está bem claro: João Batista provavelmente não  sabia mesmo quem foi, pois tinha dividas,  devia resgatar os débitos espirituais contraídos por ele quando era Elias. Como se sabe, João Batista foi decapitado. Ou pode até ser que soubesse (como disse, não estaria mentindo) e tenha ele mesmo escolhido, antes de vir ao mundo, passar por uma morte violenta na Terra para acelerar a sua evolução.  

Ratificando as palavras de Jesus: "E , se quereis dar crédito, é este o Elias que havia de vir", (Mt. 11:14). Jesus afirma que se os judeus o recebessem (Cristo), entenderiam também, que João cumprira a predição veterotestamentária sobre a vinda do Elias antes do dia do Senhor, (veja Mt.17:12; Malaquias 4:5).

Cumpriu porque era o próprio. A profecia Bíblica dizia que ele voltaria, e não alguém semelhante. Portanto, quem é que deturpa mesmo a Bíblia?

d) _ Por que Elias jamais poderia ser João Baptista reencarnado?
Por que se assim o fosse, não poderia ser Elias a aparecer juntamente com Moisés no monte da transfiguração, uma vez que João Baptista teve sua morte posterior ao profeta Elias.
Este detalhe revela-nos algo fundamental e racionalmente lógico, e que descarta de vez esta mentira do espiritismo já que, segundo a doutrina de Kardec, na questão 150 do Livro dos Epíritos, lê-se que "a alma tem um fluído que lhe é próprio, colhido na atmosfera de seu planeta, e que representa a aparência de sua última reencarnação". Então, a última aparência daquela alma, que em determinado momento recebeu um corpo humano e se chamou Elias, seria a de João Baptista. O que significa dizer que os próprios "espíritos" de Kardec fizeram coro com João Baptista quando afirmou não ser Elias.

Veja que além de deturpar a Bíblia, querem deturpar o Espiritismo.
 O espírito pode aparecer, sim com sua aparência de vidas anteriores a última. Emmanuel, por exemplo, chegou a aparecer para Chico Xavier como um Senador Romano, tendo vivido outras vidas após aquela época.    Kardec, no "Livro dos Médiuns", ensina: "Podendo tomar todas as aparências, o Espírito se apresenta sob a que melhor o faça reconhecível, se tal é o seu desejo. Assim, embora como Espírito nenhum defeito corpóreo tenha, ele se mostrará estropiado, coxo, corcunda, ferido, com cicatrizes, se isso for necessário à prova da sua identidade. Esopo, por exemplo, como Espírito, não édisforme; porém, se o evocarem como Esopo, ainda que muitas existências tenha tido depois da em que assim se chamou, ele aparecerá feio e corcunda, com os seus trajes tradicionais." 

O perispírito guarda a última forma, mas também tem como propriedade a transformação. Interessante que já havia uma postagem nesse blog afirmando essa mentira, e eu provei em um comentário que ela mente. Agora, ela torna a mentir. Não é ignorância mesmo, é pura má fé.

Eu concordo! Porque se assim fosse, deveria aparecer João Baptista com Moisés.
E mais, em II Reis 2:1 diz: "Sucedeu pois que havendo o Senhor de elevar a Elias num redemoinho ao céu, ...", e adiante, II Reis 2:11 revela: "E sucedeu que, indo eles andando e falando, eis que um carro de fogo, os separou um do outro: e Elias subiu ao céu num redemoinho".
Óbviamente, a Palavra de Deus diz que Elias não experimentou a morte física, pois seu corpo transfigurou-se semelhante ao de Jesus no monte (estudar capítulo 17 de Mateus), e subiu ao céu, assim como Enoque (averiguar Gênesis 5:24), com o corpo glorificado.
A transladação de Enoque e Elias, assemelhar-se-á ao arrebatamento futuro dos cristãos (a Igreja, a noiva de Cristo), na segunda vinda do Messias (comprove em I Tessalonicenses 4:16,17) e isto tudo torna ainda mais incoerente a tese da reencarnação porque se Elias não morreu... jamais poderia reencarnar!

Ah, sim, onde diz que ele não morreu e continuou em carne o ossos no céu VIVO?
A blogueira começa a postagem falando que a Bíblia não se contradiz. Pois, então, que nos explique porque Cristo disse “O espírito é o que dá a vida. A carne não serve para nada”. (João 6, 63). Se carne não serve pra nada, o que Elias fará com ela no Reino de Deus?


Nenhum comentário:

Postar um comentário