"Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros." (João 13:35) "Onde estiverem reunidos, em Meu nome, dois ou três, lá estarei no meio deles." (Mateus 18:20)

Translate


Pesquisar

quinta-feira, 15 de março de 2012

As profecias provam que a Bíblia é a Palavra de Deus?


Afirma-se por aí que a Bíblia é a palavra de Deus; mas com base em quê? Talvez você se apresse em responder que um dos motivos é o cumprimento das profecias na Bíblia, que provam sua autoridade como a palavra de Deus... Mas é exatamente aí que começam os problemas. Você sabia que muitas das "profecias" invocadas como cumpridas no  Novo  Testamento nem mesmo  existem no  Antigo  Testamento?  E também que há muitas profecias que falharam,  além das  profecias que expiraram e não foram cumpridas?  Pois  é
justamente sobre o argumento das "profecias cumpridas", muito usado pelos evangélicos, que
eu gostaria de discorrer com você. Então vamos aos exemplos do que acabei de falar aqui para
que você possa verificar por si mesmo em sua Bíblia.

Profecias afirmadas para  serem cumpridas no Novo Testamento que NÃO EXISTEM no Antigo Testamento:


Em Lucas 24:46, lemos:

"Assim está  escrito que o Cristo havia de padecer, e de ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia".

Entretanto, em nenhum lugar do Antigo Testamento isto é dito ou previsto.

Também, em João 7:38 lemos:

"Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva".

Nenhuma afirmativa como esta jamais foi localizada no Antigo Testamento; e ainda: "a Escritura"  a que Jesus se referia fatalmente seria o Antigo Testamento. Nesse caso, não se poderá falar em profecia a ser cumprida, se nenhuma profecia fora feita; concorda?
Paulo também afirmou que a ressurreição do Cristo no terceiro dia também foi prevista pelas escrituras. Ele disse em 1 Coríntios 15:3-4:"Antes de tudo vos entreguei o que também recebi; que Cristo morreu pelos
nossos pecados segundo as Escrituras, e que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia segundo as Escrituras".
Sobre essa passagem os   evangélicos  não conseguem indicar uma única passagem sequer no Antigo Testamento que fale desse alegado terceiro dia como uma previsão! Onde, no Antigo Testamento, é citado que Cristo ressuscitaria ao terceiro dia? Você poderia me dizer?
Do mesmo modo em João 20:9:


"Pois ainda   não tinham compreendido  a Escritura, que era necessário ressuscitar ele dentre os mortos".


Nenhuma passagem como esta jamais foi encontrada no   Velho   Testamento.   Nem semelhante.
Lemos em Marcos 1:2:
"Conforme está escrito na profecia de Isaías: Eis aí envio diante da tua face o meu mensageiro, o qual preparará o teu caminho".

Nenhuma afirmativa como esta aparece no livro de Isaías; porém, se quiser encontrá-la, consulte Malaquias  3:1. E mais: se existisse, se referiria a quem: a João,  o  precursor de Jesus, ou ao próprio Jesus?
Depois, vemos em Tiago 4:5:


"Ou supondes que em vão afirma a Escritura: É com ciúme que por nós anseia o Espírito, que ele fez habitar em nós?"
Por favor, mostre-me onde está essa afirmação no Velho Testamento...
Em outro exemplo indiscutível, Mateus diz que a compra do campo do oleiro com as 30 moedas de prata devolvidas por Judas   aos principais sacerdotes e anciãos, cumpria uma profecia feita por Jeremias:

"Então se cumpriu o que foi dito por intermédio do profeta Jeremias: Tomaram as trinta moedas de prata, preço em que foi  estimado aquele a  quem alguns dos filhos de Israel  avaliaram; e as deram pelo campo do oleiro, assim como me ordenou o Senhor". (Mateus 27:9-10).
O único  problema aqui é que Jeremias   NUNCA escreveu nada,  nem remotamente, parecido  com isto! Então,  como isto pode ser o  cumprimento de "que foi falado através  do profeta Jeremias"? Alguém, sofismando, poderá dizer que só foi falado; mas não foi escrito. Se não foi escrito, não está na "palavra de Deus".


Há uma passagem em Zacarias que pode se referir a isto; entretanto, se a Bíblia é  a
palavra inerrante de Deus, então, como ela poderia cometer erros tão primários como este?!
Então José levou sua família para Nazaré após irem para o Egito; Mateus disse que ele
fez isso:
"E foi habitar numa cidade chamada Nazaré, para que se cumprisse o que fora
dito, por intermédio dos profetas: Ele será chamado Nazareno" (Mateus 2:23).
De novo, estudiosos da Bíblia nunca foram capazes de encontrar nenhuma afirmativa de
nenhum profeta a que isto pudesse se referir! De fato,  nem a palavra Nazaré ou Nazareno
jamais foi mencionada no Antigo Testamento.  Se isso é assim,  como podia o período em que
Jesus residiu em Nazaré ter sido profetizado pelos  profetas? Como pode uma Bíblia inerrante
conter erros  crassos  como este? Não  é de se perguntar por que os evangélicos nunca se
referem a estes versículos  como cumprimento de profecia? Estes erros críticos  claramente
tornam o argumento do cumprimento de profecias um absurdo.

Profecias do Antigo Testamento que falharam


Profecias inflamadas de  Isaías 13:23 e Ezequiel 24:32 contra as nações   que cercavam Israel aumentam o arsenal de profecias  não cumpridas. Ezequiel, por exemplo, profetizou que Nabucodonosor destruiria o Egito e o deixaria completamente desolado por um período de 40 anos, durante o qual nem homem pisaria ou animal passaria por ali  (Capítulo 20), mas a história não registra nenhuma desolação do Egito durante ou após o reino  de Nabucodonosor.

Ezequiel também profetizou que Nabucodonosor destruiria Tiro, e que esta nunca seria reconstruída de novo  (26:7-14); mas o cerco de Nabucodonosor para tomar a cidade falhou, e Tiro existe até hoje. Uma coisa curiosa sobre essa profecia contra Tiro é que Isaías também previu que Tiro seria destruída; porém,  ao  contrário de Ezequiel, que previu que Tiro seria permanentemente destruída e  "nunca  mais teria  um ser vivo", Isaías  profetizou que ela seria desolada só por um período de 70 anos. Uma comparação destas duas profecias é uma maneira fácil de mostrar a tolice de se afirmar que o cumprimento de profecia prova  a
inspiração da Bíblia.
Ezequiel claramente previu que Tiro seria destruída, se tornaria uma penha descalvada
e um enxugadouro  de redes,  e jamais seria edificada (26:7-14,21; 27:28;  28:19).  Assim
como  Ezequiel, Isaías  em suas  profecias  de destruição  contra as  nações  que cercavam Israel
também previu a destruição de Tiro. Em 23:1, ele disse:


"Sentença contra Tiro. Uivai navios de Társis, porque está assolada a ponto de
não haver nela casa  nenhuma  nem ancoradouro. Da Terra de Chipre lhes foi
isto revelado".
A profecia continua desta maneira através do capítulo, prevendo a perda e devastação;
mas no início indicou que a destruição de Tiro seria apenas temporária, e não permanente:
"Eis  a  terra  dos caldeus, povo que até há  pouco não era  povo e que  a  Síria destinara para os sátiros do deserto; povo que levantou suas torres e arrasou os palácios de Tiro e os converteu em ruínas. Uivai, navios de Társis, porque é destruída   a que era   a vossa   fortaleza!   Naquele dia Tiro será   posta em
esquecimento por 70 anos, o período de vida  de um rei. Mas no fim dos 70 anos dar-se-á com Tiro o que consta na canção da meretriz que toma a harpa rodeia a   cidade, ó meretriz entregue ao esquecimento canta bem, toca, multiplica  as tuas canções para que se recordem de ti. Findos os 70 anos,  o
Senhor atentará para Tiro, e ela tornará ao salário da sua impureza e se prostituirá com todos os reinos da terra. O ganho e o salário de sua impureza serão dedicados ao Senhor; não serão entesourados nem guardados, mas  o seu ganho será para os que habitam perante o Senhor, para que tenham
comida em abundância e vestes finas."


Então Ezequiel previu que a destruição de Tiro duraria para sempre,  mas Isaías previu
apenas uma destruição temporária que duraria 70 anos ou o período de vida estimado de um
rei.  O fato é que Nabucodonosor não destruiu Tiro para sempre,  e ela não ficou desolada por
um período de 70 anos. Mesmo quando Alexandre o Grande em sua bem sucedida campanha
contra Tiro em 332 a.C., a cidade foi rapidamente reconstruída (Wallace B. Fleming, History of
Tyre, Columbia University Press, p.  64) e existe até hoje. Indiferentemente se esta profecia
falhou ou se cumpriu,  era impossível que ambas as profecias de Isaías e Ezequiel contra Tiro
se cumprissem. Pelo menos   uma delas teria que falhar, e então os proponentes do
cumprimento da profecia bíblica têm um problema para explicar. Se a Bíblia foi realmente
inspirada por uma deidade onisciente e onipotente, por que Ele direcionaria um profeta para
prever a destruição temporária de Tiro e então mais tarde direcionaria um outro profeta para
prever que Tiro  seria destruída para sempre e nunca mais seria reconstruída?  Uma resposta
provável é que nenhum dos dois  profetas  foi divinamente inspirado; ambos simplesmente
vociferaram com a típica e exagerada retórica dos   profetas   bíblicos, e trabalhando
independentemente, contradisseram um ao outro.
Como você pode ver, não apenas as profecias de ambos, Isaías e Ezequiel, a respeito de
Tiro falharam, como também se contradizem! Na verdade, Tiro existe até hoje, embora parte
dela esteja debaixo  d'água.  Apesar da direta declaração  de Deus,  Nabucodonosor foi incapaz
de destruir Tiro, embora ele tentasse por anos. Só 240 anos depois, quando Alexandre  o
Grande a destruiu, que ela ficou temporariamente destruída antes de ser reconstruída, ao
contrário  da profecia da Bíblia de que Nabucodonosor a destruiria para sempre sem que ela
fosse reconstruída.


Ezequiel fez uma profecia que, no tempo em que ele escreveu, parecia mais provável de ser cumprida.  O   profeta estava escrevendo,   em 587 antes  de Cristo, no tempo em que Nabucodonosor fazia o cerco   a Tiro. Com um exército   tão poderoso   quanto   o   de Nabucodonosor,   não   seria surpresa que Ezequiel profetizasse a queda de Tiro   pelo rei babilônico.



Ezequiel  26:7-14 "Porque assim diz o Senhor Deus:  Eis que eu trarei contra Tiro a  Nabucodonosor, rei  de Babilônia, desde o norte, o rei dos reis, com cavalos, carros e cavaleiros, e com a multidão de muitos povos. As tuas filhas que estão no continente, ele as matará à espada; levantará baluarte contra ti;
contra ti   levantará   terrapleno e um telhado de paveses. Disporá   os seus aríetes contra  os teus muros e, com os seus ferros, deitará abaixo as tuas torres. Pela multidão de seus cavalos te cobrirá de pó; os teus muros tremerão com o estrondo dos cavaleiros, das carretas e dos carros, quando ele entrar
pelas tuas portas, como pelas entradas de uma  cidade em que se fez brecha.
Com as unhas de seus cavalos socará todas as tuas ruas; ao teu povo matará à espada, e as tuas fortes colunas cairão por terra. Roubarão as tuas riquezas, saquearão as tuas mercadorias, derribarão os teus muros e arrasarão as tuas casas preciosas, as tuas pedras, as tuas madeiras e o teu pó lançarão no meio
das águas. Farei cessar o arruído das tuas cantigas, e já  não se ouvirá o som das tuas harpas. Farei   de ti uma penha   descalvada; virás a ser um enxugadouro de redes, jamais serás edificada; porque eu, o Senhor, o falei, diz o Senhor Deus".


A passagem inteira claramente profetizou o saque e a completa destruição de Tiro por
Nabucodonosor. Entretanto, a vívida descrição do  saque e queda de Tiro  nunca aconteceu.
Após o cerco de 13 anos, até 573 antes de Cristo, Nabucodonosor retirou o cerco a Tiro e teve
de fazer um acordo.  Como se vê,  Nabucodonosor não destruiu Tiro. Tiro foi destruída por
Alexandre o Grande, 240 anos depois.  E,  além disso,  apesar do que disse o profeta,  a cidade
de Tiro foi finalmente reconstruída.
A profecia diz que Tiro nunca seria reconstruída após a destruição por Nabucodonosor -
destruição que não aconteceu - considerando que ele nunca destruiu a cidade. Mesmo após a
destruição por Alexandre o Grande, a cidade ainda foi reconstruída. De fato a cidade de Tiro foi
até mesmo citada, por este mesmo nome, no Novo Testamento  (Marcos 7:24, Atos 12:20).
Tiro existe até hoje e sua população é de mais ou menos 12.000 habitantes.


O fato de ter errado em uma profecia não impediu Ezequiel de errar ainda mais:
Ezequiel 29:8-12  "Por isso assim diz o Senhor Deus: Eis que trarei sobre ti  a
espada, e eliminarei de ti homem e animal. A terra do Egito se tornará  em
desolação e deserto; e saberão que eu sou o Senhor. Visto que disseste: O rio
é meu, e eu o fiz, eis que eu sou contra ti e contra os teus rios; tornarei a terra
do Egito deserta, em completa  desolação, desde Migdol  até Sevene, até as
fronteiras da  Etiópia. Não passará  por  ela  pé de homem, nem pé de animal
passará  por ela, nem será  habitada  40 anos. Porquanto tornarei   a   terra  do
Egito em desolação, no meio de terras desoladas; as suas cidades no meio das
cidades desertas se tornarão em desolação por   40 anos; espalharei os
egípcios, entre as nações e os derramarei pelas terras".
Veja nesta passagem a quantidade de profecias que foram provadas como erradas:

- O Egito nunca ficou desolado e deserto.
- Pessoas ainda caminham por lá.
- Nunca houve um único momento sequer que tenha ficado abandonado por 40 anos, mesmo quando o Egito esteve inabitado.


- O Egito nunca foi um país desolado cercado por mais países desolados.
- Suas cidades nunca foram desoladas por nenhum período de tempo e finalmente nunca houve uma diáspora egípcia.
Ezequiel tenta a sorte com outra profecia a respeito de Nabucodonosor:

Ezequiel 29:20 "Por paga do seu trabalho, com que serviu contra ela, lhe dei a terra do Egito, visto que trabalharam por mim, diz o Senhor Deus".

Infelizmente, aqui também ele falhou! Nabucodonosor nunca conquistou o Egito.

Profecias que falharam, expiraram e não foram cumpridas


Existem muitas profecias na Bíblia que nunca se tornaram verdadeiras ou foram cumpridas, pois   o tempo de previsão delas expirou. Como exemplo, aqui estão   algumas profecias óbvias que falharam concernentes à segunda vinda do Cristo e o final do mundo, em que se supunha que aconteceria no primeiro século durante o período de vida dos Apóstolos.
Em Mateus 16:28, lemos:
"Em verdade vos digo que alguns aqui se encontram que de maneira nenhuma  passarão pela morte até que vejam vir o Filho do Homem no seu reino".

Em Lucas 9:27, lemos:
"Verdadeiramente vos digo:  Alguns há dos que aqui se encontram que de
maneira nenhuma passarão pela morte até que vejam o reino de Deus".

Afirma-se nos dois versículos acima que os Apóstolos que estavam com Jesus veriam a
sua segunda vinda durante suas vidas. É claro e simples, nada alegórico ou simbólico.
Os versos seguintes também indicam que Paulo esperava que ele e os cristãos de seu
tempo vissem a Segunda Vinda do Cristo:

1 Coríntios 7:29  "Isto, porém, vos digo, irmãos: o tempo se abrevia; o que
resta é que não só os casados sejam como se o não fossem".
1 Tessalonicenses 4:15-17 "Ora, ainda vos declaramos, por palavra do Senhor,
isto: nós, os vivos, os que ficarmos até à vinda  do Senhor, de modo algum
precederemos os que dormem. Porquanto o Senhor mesmo, dada  a   sua
palavra de ordem, ouvida a voz  do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus,
descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois nós, os
vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre
nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre
com o Senhor".









Vejamos mais alguns versos semelhantes abaixo:
Hebreus 1:1-2 "Havendo Deus, outrora, falado muitas vezes, e de muitas
maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias nos falou pelo Filho  a
quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo"
(2000 mil anos atrás eram os "últimos dias"!?)
Hebreus 10:37  "Porque ainda dentro de pouco tempo aquele que virá, e não tardará".


1 Pedro 4:7 "Ora, o fim de todas as coisas está  próximo;   sede, portanto,
criteriosos e sóbrios a bem das vossas orações".

1 Pedro 1:19:20 "... mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e
sem mácula, o sangue de Cristo, conhecido, com efeito, antes da fundação do
mundo, porém manifestado no fim dos tempos, por amor de vós".

Tiago 5:7-9 "Sede, pois, irmãos, pacientes, até  a  vinda do Senhor. Eis que  o
lavrador   aguarda   com paciência o precioso fruto da   terra, até receber as
primeiras e as últimas chuvas. Sede vós também pacientes, e fortalecei  os
vossos corações, pois a   vinda do Senhor   está próxima. Irmãos, não vos
queixeis uns dos outros, para   não serdes julgados. Eis que o juiz  está  às
portas".

Apocalipse 1:1 "Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos
servos as coisas que em breve devem acontecer, e que ele, enviando por
intermédio do seu anjo, notificou ao seu servo João...".

Apocalipse 3:11 "Venho sem demora".

Apocalipse 22:10,20 "Disse-me ainda: Não seles as palavras da profecia deste
livro, porque o tempo está próximo". "Aquele que dá testemunho destas
coisas diz: Certamente venho sem demora. Amém. Vem, Senhor Jesus".

Mateus 10:22-23 "Sereis odiados de todos por  causa do meu nome;  aquele,
porém, que perseverar  até ao fim, esse será salvo". "Quando, porém, vos
perseguirem numa cidade, fugi  para  outra;  porque em verdade vos digo que
não acabarão de percorrer   a   cidades de Israel   até que venha   o Filho do
homem"


Está muito   claro   no Novo   Testamento   que a segunda vinda do   Cristo   ocorreria ENQUANTO seus apóstolos estivessem pregando nas cidades de Israel.

Nos três versículos seguintes,  afirma-se que Jesus teria dito  que a geração vivente daquele tempo passaria por sua vinda:

Marcos 13:29-30 "Assim também vós:  quando virdes acontecer  estas coisas,sabei que está próximo, às portas. Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isso aconteça".
Lucas 21:31-32 "Assim também quando virdes acontecer estas coisas, sabei que está próximo o reino de Deus. Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isso aconteça".

Mateus 24:33-34 "Assim também vós: quando virdes acontecer estas coisas,sabei que está próximo, às portas. Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isso aconteça".


Obviamente,  aquela geração a que dizem que Jesus  se referia já passou há muito
tempo! Que sortimento impressionante de profecias que falharam!

Nenhum comentário:

Postar um comentário